Paraná revela: Bolsonaro à frente, Marina abraçada a lulistas, PT sem opção e Alckmin estagnado

  • Por Felipe Moura Brasil/Jovem Pan
  • 03/05/2018 10h24 - Atualizado em 03/05/2018 10h27
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDOMarina não consegue angariar apoio de outras siglas e segue embolada com outros candidatos na disputa pelo segundo turno

Jair Bolsonaro lidera a pesquisa divulgada hoje pelo Instituto Paraná, e disponível aqui no site da Jovem Pan, com 20,5 pontos percentuais, seguido de Marina Silva com 12 pontos.

Ou seja: Bolsonaro está 8 pontos e meio à frente Marina.

Não é vantagem suficiente para deixar encaminhada uma vitória no segundo turno, quando vários outros candidatos tendem a se unir contra ele, mas é uma vantagem bem maior do que aquela apontada pelo Datafolha no começo de abril, que deu empate técnico entre os dois, colocando Bolsonaro com 17 pontos e Marina entre 15 e 16.

Bolsonaro havia dito que o Datafolha não tem credibilidade, que os números dele foram apequenados e que ele estava muito melhor do que aquela pesquisa mostrava, de modo que o resultado do Instituto Paraná pode reforçar a narrativa do deputado.

Já os 12 pontos de Marina indicam uma certa dificuldade da pré-candidata da Rede de se distanciar da leva de potenciais candidatos que disputam o terceiro lugar, como Joaquim Barbosa, que aparece com 11, Ciro Gomes, 9,7, e Geraldo Alckmin, 8,1.

O fato de Marina permanecer nesse bolo que disputa a outra vaga no segundo turno pode manter travadas as negociações dela para atrair apoio de outros partidos, negociações que não prosperaram nos últimos meses com representantes de PPS, PV, PHS e PRP.

Ou seja: enquanto o cenário está embolado e indefinido, todos vão deixando decisões definitivas para cima da hora.

A pesquisa, no entanto, mostra que Marina é maior beneficiada com a saída de Lula, herdando a maior fatia dos votos dele. Em relação ao cenário com o presidiário, ela cresce 4,3 pontos no cenário sem ele, enquanto Ciro cresce 4,2, Barbosa 2 e Bolsonaro apenas 1,2 pontos.

Isto explica mais uma vez por que Marina evita criticar Lula diretamente e chamá-lo de criminoso, corrupto, lavador de dinheiro, preferindo apenas pregar que outros políticos, como Renan Calheiros e Aécio Neves também sejam punidos. Marina, que passou 27 anos no PT, nitidamente não quer que os eleitores de Lula fiquem de mal com ela.

Com Fernando Haddad atingindo apenas 2,7%, a pesquisa evidencia também que Ciro é a única opção competitiva para o PT compor uma chapa, apesar da relutância de parte dos petistas.

E o potencial da candidatura de Barbosa fica ainda mais claro, com o ex-ministro do Supremo ficando à frente de Ciro e apenas um ponto atrás de Marina, o que é considerado empate técnico.

Em relação a Geraldo Alckmin, estrategistas do PSDB haviam dito que o ex-governador teria de atingir 10% nas pesquisas até abril. Estamos em maio, e Alckmin, com seus 8,1%, não decolou.

Só falta agora ele alegar que a margem de erro da pesquisa do Instituto Paraná é de 2 pontos e, no limite dela para cima, ele teria 10,1%. Haja teimosia, hein.