Polícia indica que uso de heroína pode ter provocado morte de Peaches Geldof

  • Por Agencia EFE
  • 04/05/2014 22h58

Londres, 1 mai (EFE).- A polícia britânica anunciou nesta quinta-feira que o uso de heroína pode ter tido um papel determinante na morte da ex-modelo Peaches Geldof, aos 25 anos, no último 7 de abril.

Em uma breve audiência perante o tribunal que investiga a morte da filha do cantor irlandês Bob Geldof, o inspetor da polícia britânica Paul Fotheringham assinalou que as provas legistas não são conclusivas até o momento e, por isso, novos exames serão realizados.

No entanto, o inspetor apontou que “o consumo recente de heroína e os níveis identificados fazem pensar que provavelmente (essa substância) teve um papel fundamental em sua morte”.

Os serviços de emergências certificaram a morte da ex-modelo após receber uma chamada para comparecer em seu domicílio, situado em Wrotham, ao sudeste da Inglaterra.

Peaches começou sua carreira escrevendo uma coluna para a revista “Elle” aos 15 anos, quatro depois que sua mãe, a apresentadora Paula Yates, morresse em consequência de uma overdose de heroína.

O jornal “The Times” também informou que os resultados da análise toxicológica dirigida pelo médico legista Roger Hatch apontavam o consumo de heroína como possível causa da morte de Peaches.

Após a morte da jovem apresentadora, os tablóides britânicos afirmaram que a Polícia não encontrou restos de droga nem uma nota de suicídio junto ao seu corpo.

Inicialmente, a polícia tratou o caso como uma morte “súbita, inexplicável e não suspeita”.

A ex-modelo estava casada com o músico britânico Thomas Cohen, do grupo “Scum”, com quem teve dois filhos, Astala e Phaedra. EFE