Capitão do tetra, Dunga enfrenta críticas 21 anos depois e tem imagem desgastada

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2015 12h56
Brazil's soccer team head coach Dunga arrives at a news conference at Estadio Ester Roa in Concepcion, Chile, June 26, 2015. Brazil will play against Paraguay in their Copa America quarter-finals soccer match on Saturday. REUTERS/Carlos Garcia RawlinsDunga

Dunga é um dos nomes mais lembrados quando se fala em tetracampeonato mundial, conquista essa que completa 21 anos nesta sexta-feira(17). Na Copa do Mundo de 1994, quando a Seleção Brasileira levantou a mais importante taça do futebol, o volante foi o capitão e grande líder do elenco que defendeu a Amarelinha nos Estados Unidos. Porém, atualmente, sua imagem está um tanto quanto desgastada devido ao seu trabalho como técnico do Brasil.

Se no Mundial de 1994 o meio-campista mostrou grande senso de marcação e boa distribuição de jogo, com seus bons passes, seu grande mérito foi exercer a postura de liderança dentro do elenco que acabou derrotando a Itália na final, na disputa de pênaltis. Como comandante da Seleção, contudo, Carlos Caetano Bledorn Verri jamais empolgou os torcedores.

A primeira passagem de Dunga pelo Brasil começou em 2006 e ficou marcada por conquistas como as da Copa América de 2007, quando a Seleção superou a Argentina, na decisão, e da Copa das Confederações de 2009, quando o Brasil fez uma campanha impecável. Porém, na Copa do Mundo de 2010, mais uma decepção. Depois de se classificar em um grupo que tinha Coreia do Norte, Costa do Marfim e Portugal, os brasileiros derrotaram o Chile nas oitavas de final, mas acabaram caindo, de virada, para a Holanda, por 2 a 1.

A eliminação acabou decretando o fim do primeiro trabalho de Dunga à frente da Seleção Brasileira, mas em 2014, logo após a vexatória queda na Copa do Mundo disputada no Brasil, quando os comandados de Luiz Felipe Scolari perderam para a Alemanha por 7 a 1, na semifinal, Dunga foi anunciado novamente como treinador, como uma alternativa para tentar resgatar o orgulho do Brasil. O futebol pouco inspirado demonstrado nos últimos meses não está a salvo de críticas, mesmo com os bons números apresentados pelo treinador.

Na primeira passagem pela Seleção Brasileira, foram 42 vitórias, 12 empates e seis derrotas. No trabalho atual, Dunga soma 12 vitórias, um empate e uma derrota.