Cruzeiro desencanta, vence Mineros e assume ponta do grupo 3 da Libertadores

  • Por Agencia EFE
  • 20/03/2015 00h52
Jogadores do Cruzeiro comemoram gol na vitória contra o Mineros

Depois de passar dois jogos em branco, o Cruzeiro finalmente desencantou nesta quarta-feira na Taça Libertadores, ao vencer o Mineros por 2 a 0 e, de quebra, assumiu a liderança do grupo 3, empatado em pontos com o Universitario Sucre, mas com melhor saldo de gols.

Apesar da primeira vitória, a Raposa voltou a apresentar futebol pouco parecido com o da equipe que dominou o Campeonato Brasileiro nos últimos dois anos. Depois de Leandro Damião marcar o primeiro gol do time na competição, aos 11 minutos, o Cruzeiro foi pressionado e dominado pelo Mineros, que desperdiçou pelo menos quatro excelentes chances de empatar.

O cenário começava a se repetir na segunda etapa, com igual ineficiência dos venezuelanos nas finalizações, até o técnico Marcelo Oliveira colocar Charles no gramado. O volante deu novo equilíbrio ao meio-campo do Cruzeiro, que passou a ameaçar nos contra-ataques. Marquinhos, que já tinha dado assistência para o primeiro gol, marcou o segundo, aos 38 minutos.

Agora o Cruzeiro só depende dos próprios esforços para avançar para as oitavas de final da Libertadores. Duas das três últimas rodadas serão disputadas no Mineirão. O primeiro dos jogos em casa será contra o mesmo Mineiros, no próximo dia 8 de abril.

Sem o atacante Willian, lesionado, o técnico Marcelo Oliveira apostou em um trio ofensivo para a partida na Venezuela. Ao lado de Leandro Damião, autor de seis gols no Campeonato Mineiro, foram escalados Alisson e Marquinhos.

Já o Mineros veio desfalcado de seu principal astro para o duelo, o centroavante Zamir Valoyes, expulso na partida contra o Universitario Sucre. Além disso, o volante Rafael Acosta e o meia José Nájera ficaram de fora do jogo por lesão.

Outra mudança ocorreu no banco de reservas. Por causa do desempenho ruim no Campeonato Venezuelano, o técnico Marcos Matías foi demitido na última segunda-feira, sendo substituído pelo auxiliar Antonio Franco.

Precisando do resultado positivo assim como a Raposa, o Mineros começou a partida pressionando, tentando fazer valer o mando de campo. Os donos da casa aproveitavam também o nervosismo do adversário, que errava muitos passes quando recuperava a bola.

Apesar da pressão, o Mineros pouco ameaçava o goleiro Fábio. O primeiro susto ocorreu aos 10 minutos, quando Jiménez passou por Mayke e cruzou rasteiro na área. A bola ia chegando para Blanco, mas o volante Henrique apareceu na cobertura e cortou.

O Cruzeiro respondeu de imediato. No lance seguinte, Marquinhos fez bela jogada individual pela direita, foi à linha de fundo e rolou para a chegada de De Arrascaeta. O uruguaio chutou firme, obrigando Romo a fazer excelente defesa, mas, no rebote, Leandro Damião apareceu, tocou de cabeça e abriu o placar.

O gol desestabilizou a equipe venezuelana, dando confiança para os comandados de Marcelo Oliveira. O time celeste começou a gostar da partida e, bem posicionado em campo, impedia todas as tentativas ofensivas do Mineiros. Faltava só encaixar um contra-ataque.

A estratégia não deu resultado. Recuado e sem conseguir ameaçar nos contragolpes, o Cruzeiro permitiu a recuperação dos donos da casa, que começaram uma pressão ainda maior, desperdiçando pelo menos quatro ótimas chances de empatar.

Primeiro, aos 26, Cabezas apareceu livre na frente de Fabio e tocou na saída do goleiro celeste. A bola chegou a tocar na trave, mas o árbitro Carlos Vera apontou impedimento no lance.

Dois minutos depois, Blanco foi à linha de fundo e cruzou para Pérez, de frente para o gol cruzeirense. Léo, caído no lance, se recuperou e conseguiu fazer um corte espetacular para escanteio.

A torcida ficou na bronca aos 32, quando Cabezas recebeu belo lançamento dentro da área e foi derrubado por trás pelo lateral-esquerdo Mena. A arbitragem achou o lance legal e mandou o jogo seguir, irritando também os jogadores do Mineros.

Fábio ainda salvou o Cruzeiro mais uma vez aos 34. Vallenilla recebeu na ponta direita, invadiu a área e chutou cruzado, obrigando o goleiro a fazer grande defesa com a perna esquerda.

Depois de tanto pressionar, os donos da casa quase foram para o intervalo em uma desvantagem ainda maior no placar. Marquinhos fez nova jogada pela direita aos 44 minutos, e cruzou na cabeça de Alisson que, mesmo livre, acabou tocando para longe do gol.

O cenário da etapa inicial se repetiu no segundo tempo. O Mineros começou pressionando, sem muita efetividade, com Marquinhos como a melhor válvula de escape dos visitantes.

Mas, desta vez, o atacante acabou falhando no momento decisivo. Aos 9 minutos, recebeu belo lançamento de De Arrascaeta, saiu na cara de Romo, mas chutou em cima do goleiro, que tocou para escanteio.

O Mineros seguia desperdiçando oportunidades de igualar. Aos 12, Vallenilla fez belo cruzamento para Cichero, nas costas de Mayke. O lateral subiu completamente livre, tocou com estilo, mas a bola saiu à esquerda do gol. Fabio, batido no lance, só olhou.

Preocupado com a atuação ruim da equipe e com os espaços cedidos para o adversário, o técnico Marcelo Oliveira resolveu mudar aos 19 minutos. Colocou Ceará no lugar de Mayke, muito mal na marcação pelo setor direito. De Arrascaeta, que pouco ajudava no trabalho defensivo, acabou substituído pelo volante Charles.

As alterações deram resultado. Mais compacto, o Cruzeiro começou a desarmar os adversários, ameaçando nos contra-ataques. Aos 25 minutos, Damião lançou Alisson na esquerda. O atacante invadiu a área e chutou cruzado, mas Romo fez boa defesa.

O Mineros voltou a levar perigo aos 31, com uma sequência de pelo menos três cruzamentos. Todos passaram por toda a área, mas nenhum jogador da equipe venezuelana conseguiu tocar na bola.

O melhor jogador do Cruzeiro na partida fechou a vitória aos 38 minutos. Mena fez boa tabela com Damião, foi à linha de fundo e rolou para área. Marquinhos venceu a marcação e conseguiu tocar para o fundo da rede, colocando a Raposa na ponta do grupo 3 por causa do saldo de gols.

A liderança quase foi perdida aos 43. Ceará errou ao cortar pela direita, a bola sobrou com Blanco, que chegou a driblar Fabio, mas acabou perdendo o ângulo para finalizar, sendo travado na sequência.