Piloto russo de 15 anos perde licença para competir no kart após fazer gesto nazista 

A decisão foi tomada nesta quarta-feira, 13, pelo Automóvel Clube da Itália (ACI), entidade equivalente à confederação de automobilismo do país europeu

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2022 12h40
Reprodução/FIA Artem Severiukhin perdeu a licença para competir no kart após fazer gesto nazista em pódio Artem Severiukhin perdeu a licença para competir no kart após fazer gesto nazista em pódio

O piloto russo Artem Severyukhin, de apenas 15 anos, teve revogada sua licença para competir após fazer um gesto nazista no pódio de uma competição de kart. A decisão foi tomada nesta quarta-feira, 13, pelo Automóvel Clube da Itália (ACI), entidade equivalente à confederação de automobilismo do país europeu. O garoto, apesar de ter nascido na Rússia, tinha licença na Itália, país acostumado a conceder permissões a esportistas de outras nações para competições nacionais e internacionais. O ACI alegou que o atleta fez um “gesto inqualificável e inaceitável” após a vitória na etapa de Portimão do Campeonato Europeu de Kart, em Portugal.

Na ocasião, Artem Severyukhin fez uma saudação nazista enquanto apresentava um sorriso irônico. O gesto gerou repercussão rápida no mundo do esporte. No dia seguinte, a própria Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou que estava investigando o caso. A Justiça Desportiva da Itália também vai apurar a situação. Ou seja, o jovem piloto poderá sofrer outras sanções no ambiente esportivo. “Com seu gesto imprudente, Severyukhin mostrou falta de respeito não apenas pelos valores universais que sempre inspiraram todo esporte, mas também pela humanidade, dignidade e convivência civil”, argumentou o ACI, ao comunicar a revogação da licença.

Antes da decisão do ACI, o piloto já havia sofrido a primeira consequência do ato. Sua equipe de kart, a Ward Racing, rescindiu seu contrato. A corrida disputada em solo português era apenas a primeira do campeonato europeu. Antes da rescisão, Severyukhin chegou a pedir desculpas publicamente. Em vídeo postado em suas redes sociais, ele afirmou que “gostaria de pedir desculpas”: “No pódio, fiz um gesto que foi associado ao nazismo. Não é verdade. Eu não apoio o nazismo. Foi um dos piores crimes contra a humanidade”, declarou.

*Com informações do Estadão Conteúdo