Em carta, governadores do Nordeste dizem que ‘agressões e brigas não salvarão o País’ do coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2020 16h24
EFE/ Joédson AlvesBrasil, coronavírus

Em carta, divulgada nesta quarta-feira (25), os governadores dos estados do Nordeste do país criticaram o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça e afirmaram que “agressões e brigas não salvarão o País” do novo coronavírus.

Os governadores afirmam que o Brasil vive tempos de guerra e que é necessário vencer a Covid-19 “com muito trabalho, bom senso e equilíbrio”.

“Vamos continuar adotando medidas baseadas no que afirma a ciência seguindo orientação de profissionais da saúde, capacitados para lidar com a realidade atual”, afirmam.

Diante das milhares de vítimas fatais do novo coronavírus, os governadores do Nordeste afirmam que a “decisão prioritária é a de cuidar da vida das pessoas, não esquecendo da responsabilidade de administrar a economia dos estados”.

“É um momento de união, de se esquecer diferenças políticas e partidárias. Acirramentos só farão prejudicar a gestão da crise”, escrevem.

Os governadores finalizam a carta dizem que ficaram “frustados com o posicionamento agressivo do presidente da República, que deveria exercer o seu papel de liderança e coalização em nome do Brasil” e reiteram pedido de ajuda para proteção de emprego e ajuda aos mais pobres.

Assinam a carta os governadores Rui Costa (Bahia), Flavio Dino (Maranhão), Wellington Dias (Piauí), Renan Filho (Alagoas), João Azevedo (Paraíba), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), Camilo Santana (Ceará), Paulo Câmara (Pernambuco), Belivaldo Chagas (Sergipe).