EUA recebem diariamente quase 600 menores centro-americanos ilegais

  • Por Agencia EFE
  • 26/06/2014 20h29

Manágua (Nicarágua), 26 jun (EFE).- Entre 500 e 600 menores de zero a 17 anos ingressam de forma ilegal todos os dias nos Estados Unidos, afirmou nesta quinta-feira a vice-ministra para os salvadorenhos no exterior, Liduvina Magarin, no marco da XIX Conferência Internacional de Migração realizado em Manágua, capital da Nicarágua.

“Temos de 500 a 600 crianças entrando pela fronteira americana todos os dias nas últimas cinco semanas, que estamos atendendo com nosso corpo consular”, disse Liduvina aos jornalistas.

O problema principal que os menores enfrentam, uma vez que são achados pelas autoridades americanas, é o de atendimento especializado, disse a vice-ministra.

“Há muitas coisas para melhorar para dar um espaço e um atendimento adequado para meninos e meninas, porque as patrulhas estão treinadas para atender os adultos, portanto as condições não são as mais idôneas para os menores”, explicou Liduvina.

As autoridades dos países centro-americanos esperam que “se respeite o devido processo legal que tem os Estados Unidos para que se privilegie a reunificação familiar”, assinalou ela.

Diferentemente dos adultos, os menores não viajam aos EUA de forma ilegal em busca do “sonho americano”, mas sim com o objetivo de reencontrar os pais ou escapando da violência, afirmou a vice-ministra. Por essa razão, Guatemala, Honduras e El Salvador iniciaram tarefas para atender os menores uma vez que sejam devolvidos a seus países de origem, sustentou.

O secretário de Segurança Nacional americano, Jeh Johnson, anunciou recentemente que as crianças centro-americanos que cruzem ilegalmente a fronteira do país dos EUA serão deportados. Mais de 52 mil menores ingressaram no país de forma ilegal neste ano, de acordo com números divulgados pelas autoridades norte-americanas. EFE