Jornalista brasileiro assassinado no Paraguai previu a própria execução 

  • Por Jovem Pan
  • 14/02/2020 06h43 - Atualizado em 14/02/2020 06h52
Reprodução/FacebookLourenço Veras era considerado um dos principais jornalistas de Segurança Pública da região

Autoridades do Paraguai investigam o assassinato do jornalista brasileiro Lourenço Veras, conhecido como Léo Veras, morto a tiros em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil.

Segundo a polícia, por volta das 20 horas de quarta-feira (12), Léo estava jantando com a mulher quando dois homens armados entraram na casa dele e o executaram com 12 tiros.

Ele era dono do portal Porã News e investigava o tráfico de drogas entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. Segundo o ministério público paraguaio, a principal suspeita é de que Léo tenha sido morto por narcotraficantes locais.

Em entrevista a um documentário sobre a violência contra jornalistas da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, Léo Verás anteviu a própria morte.
“A gente tem que morrer um dia, né? Eu sempre peço para que não seja tão violenta minha morte, que não sejam tantos disparos de fuzil. Aqui, se um pistoleiro quiser te matar, ele vem na sua porta.”

Lourenço Veras morava há 15 anos no Paraguai e deixa esposa e filhos paraguaios. Ele era considerado um dos principais jornalistas de Segurança Pública da região.

Pedro Juan Caballero é a cidade onde 75 presos ligados ao PCC fugiram no dia 19 de janeiro. O local é um território estratégico para o PCC, sendo utilizado pela facção para trazer cocaína de países andinos ao Brasil.

Uma vez no território nacional, a droga é enviada aos principais portos do país e, de lá, exportada para Europa, África e Ásia.

*Com informações do repórter Leonardo Martins