OMS sugere aliviar dívidas externas de países em desenvolvimento

Diretor-geral da Organização disse que o FMI e o Banco Mundial apoiam este pedido

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2020 18h22
MAURO AKIIN NASSOR/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOSegundo a OMS, em questão de dias, o planeta chegará a 1 milhão de contágios e 50 mil mortes

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse nesta quarta-feira (1º) que as medidas para conter a pandemia do novo coronavírus podem ter um custo particular para os países em desenvolvimento, e pediu que parte da dívida externa dessas economias seja aliviada.

“É essencial que eles sejam capazes de cuidar do próprio povo e evitar o colapso econômico”, ressaltou em entrevista coletiva, acrescentando que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial apoiam este pedido.

O dirigente afirmou que, embora regiões como África e América Latina tenham registrado até agora números relativamente baixos de casos de Covid-19, elas podem sofrer uma incidência da pandemia semelhante a outras regiões que “teria sérias consequências sociais, econômicas e políticas”.

“É fundamental que asseguremos que estes países estejam bem equipados para detectar, testar, isolar e tratar possíveis casos”, disse o chefe da OMS, acrescentando que a pandemia está chegando ao quarto mês e com números preocupantes.

“Nas últimas cinco semanas, temos visto um crescimento quase exponencial no número de novos casos”, argumentou, antecipando que em questão de dias o planeta chegará a 1 milhão de contágios e 50 mil mortes.

Máscaras

Tedros Adhanom também se referiu a dúvidas sobre se as máscaras deveriam ser usadas por toda a população dos países afetados, como nos países asiáticos, onde a primeira onda da pandemia teve efeitos mais limitados do que na Europa e nos Estados Unidos.

“Há um debate sobre o uso de máscaras em nível comunitário”, admitiu, embora tenha dito que, por enquanto, a OMS “recomenda que elas sejam usadas por aqueles que estão doentes ou que cuidam de doentes”. Mesmo assim, esse tipo de equipamento só é realmente eficaz em combinação com outras medidas de proteção.

“Este é um novo vírus, estamos aprendendo o tempo todo”, comentou, enfatizando que a OMS continua a estudar e avaliar a possibilidade de um uso mais difundido das máscaras, de modo a controlar a propagação do coronavírus.

* Com EFE