Sete países da África somam 1,4 mil casos de varíola dos macacos em cinco meses

Até meados de maio, infecções foram confirmadas em Camarões, Libéria, Nigéria, República Centro-Africana, República Democrática do Congo e Serra Leoa; OMS vê ampliação do vírus nos últimos anos

  • Por Jovem Pan
  • 01/06/2022 05h51 - Atualizado em 01/06/2022 05h55
CDC/Brian W.J. Mahy/Divulgação via REUTERS Varíola dos macacos OMS recomenda a busca por uma soluções conjuntas de erradicação da doença

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que 1.400 casos de varíola dos macacos foram detectados do início do ano até meados de maio em sete países da África: Camarões, Libéria, Nigéria, República Centro-Africana, República Democrática do Congo e Serra Leoa. Segundo a entidade, apesar de não ter se propagado em países africanos onde a doença não é endêmica, a avaliação é que o vírus ampliou seu alcance nos últimos anos. “Até 2019, a varíola dos macacos na Nigéria estava principalmente no Sul do país, mas, em 2020, o vírus migrou pra o Centro, Leste e Norte”, diz nota divulgada nesta terça-feira, 31.

Para interromper a tendência, a OMS recomenda a busca por uma soluções conjuntas de erradicação da doença. “Temos que evitar ter duas respostas distintas para a varíola dos macacos, uma para os países ocidentais, que só agora estão tendo uma transmissão significativa e outra para a África”, disse Matshidiso Moeti, diretora da agência da ONU para o continente. Ela também cobrou “igualdade de acesso” a vacinas contra a doença. Em 2020, países da África detectaram mais de 6,3 mil possíveis infecções da varíola dos macacos. Destes casos, 95% foram na República Democrática do Congo.

*Com EFE