NY aprova identidade que dá acesso a serviços para imigrantes ilegais

  • Por Agencia EFE
  • 26/06/2014 20h10

Nova York, 26 jun (EFE).- O Conselho Municipal de Nova York aprovou nesta quinta-feira por maioria a criação de um documento de identidade que permitirá aos imigrantes ilegais da cidade acessarem diferentes tipos de serviços públicos.

“Não vamos permitir que alguns de nossos moradores continuem nas sombras por causa do status migratório”, disse a presidente do Conselho Municipal, a porto-riquenha Melissa Mark-Viverito, após a votação que terminou com 43 votos a favor, um contra e duas abstenções.

Para solicitar o novo cartão só será preciso apresentar uma certidão de nascimento ou um passaporte estrangeiro e comprovar residência na cidade com relações de emprego ou faturas de eletricidade e gás.

“O documento de identidade municipal é mais do que um simples cartão porque dignifica as pessoas que vivem nas sombras”, disse o prefeito da cidade, Bill de Blasio, ao destacar que a prefeitura já está preparada para começar a emitir o documento.

Além de beneficiar os imigrantes ilegais, o novo cartão, que deve começara ser emitido até o fim do ano ou no mais tardar no início de 2015, ajudará a identificar outros coletivos como os transexuais e moradores de rua.

A decisão foi comemorada na Coalizão do Imigrante de Nova York, que elogiou o fato de o novo documento permitir o acesso dos imigrantes a trâmites bancários, aluguel de casas, serviços de saúde, acesso a bibliotecas e apresentar denúncias na polícia.

A nova identidade municipal não poderá ser utilizada como carteira de habilitação, não terá validade federal nem permitirá procurar emprego. Ela também não permitirá a compra de tabaco ou álcool.

Um mês após chegar à prefeitura, em fevereiro, o prefeito De Blasio anunciou a intenção de criar a nova carteira, seguindo os passos de outras cidades como New Haven (Connecticut), o primeiro município que aprovou um cartão municipal.

Em 2007, em Nova York, o então vereador Hiram Monserrate apresentou pela primeira vez um projeto para emitir carteiras de identidade para imigrantes ilegais, mas nesse momento não houve vontade política para aprovar o projeto. EFE