A ignorância e a desinformação estão vencendo enquanto a pandemia segue ceifando vidas no Brasil

Negacionistas da vacina e da máscara estão lotando as UTIs novamente, põem a própria vida e a dos outros em risco e prejudicam o combate ao coronavírus

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 25/08/2021 14h04
LEANDRO FERREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOAté o momento, mais de 56 milhões de brasileiros já tomaram as duas doses da vacina, o que dá pouco mais de 26% da população

UTIs de várias regiões do Brasil começam a lotar com doentes que se negaram a tomar a vacina contra a Covid-19. Os profissionais da saúde mostram-se preocupados porque o país conhece esse drama que que já ceifou mais de 570 mil vidas. Para agravar esse quadro, há ainda o avanço da variante Delta que atinge milhares de pessoas a cada dia. Convém lembrar que quase 70% da população ainda não está totalmente imunizada. Mas o que se destaca é que as pessoas doentes com gravidade negaram-se a tomar a vacina. Quer dizer: são pessoas que expõem a si mesmas e a sociedade como um todo. Por que se negam a tomar a vacina? É preciso dizer sem meias palavras: negam-se por ignorância, ideologia, religião, egoísmo, desinformação, além da desgraça do tratamento com medicamentos comprovadamente sem qualquer eficácia contra a Covid-19. E acham isso uma glória. Como se, ao se negar à vacinação, fossem heróis. Mas não pensam no outro, a quem podem transmitir a doença.

São também idiotas. E idiotas é o que não falta neste país, como se vê exatamente quanto à vacinação. Os médicos que estão na linha de frente no enfrentamento à doença revelam desânimo diante de uma situação que poderia ser evitada, não fosse a verdadeira campanha subterrânea que parte de Brasília contra a vacinação. É uma sabotagem. Os profissionais da saúde asseguram ser insuportável ver, ainda, tanta gente perder a vida e a grande maioria por ter se negado à vacina. A pandemia se prolonga exatamente por conta dessa ignorância. Há alguns dias, a Secretaria municipal da Saúde do Rio de Janeiro informou que 95% dos internados atualmente na cidade são pessoas que se negaram a ser vacinadas. Do total internado, apenas 5% tomaram pelo menos a primeira dose. Os que negam a vacinação são irresponsáveis, que prejudicam decisivamente o combate à pandemia, que continua bem viva no Brasil. Acabam perdendo a vida numa UTI, como vem acontecendo. No Rio de Janeiro, tomado aqui como exemplo, 70% dos internados nas UTIs têm menos de 60 anos e se negaram a ser vacinados, o que vem ocorrendo também com os jovens, que somam hoje parte significativa dos que morrem por Covid.

O que está se assistindo é uma negação à ciência em mensagens passadas por líderes religiosos e outros segmentos, incluindo aí os chamados comunicadores e até mesmo parte da imprensa, à qual pertenço, que se opõe à sensatez.  É demais. Fruto de uma ignorância que não tem tamanho e que se mistura à política de governantes irresponsáveis. E entre os que se negam a vacinar há um grande número de profissionais da saúde negacionistas. Dizem que não há razão para a vacina se existem medicamentos alternativos, esses receitados pelo presidente da República e seguidos por seus servis. Muitos desses profissionais da saúde acabam morrendo também ao contrair o vírus e não resistir à doença. O mesmo problema está ocorrendo em relação ao uso da máscara como proteção. Agora só se fala contra a máscara. O mundo inteiro está errado, só o Brasil está correto. E o pior é que isso tudo faz parte de uma campanha silenciosa que percorre o país. A ignorância e a desinformação estão vencendo. E a pandemia continua. As UTIs estão voltando a ficar cheias nos hospitais em várias regiões do país. Cheias daqueles que se negaram a vacinar, pondo a própria vida em risco e ignorando o outro, a quem pode transmitir a doença. A estupidez também tem um limite. Vão se danar!