Lula acha que vai vencer as eleições no 1º turno e não está disposto a parar com suas manobras manjadas

Ex-presidente tem feito seus contatos com muito afeto e muitos nomes que já são figurinhas carimbadas na política foram conquistados

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 27/07/2022 12h54
MAX PEIXOTO/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO Ex-presidente Lula fala em microne Lula é candidato à Presidência da República nas eleições 2022

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva está decidido. Acha que pode vencer a eleição presidencial já no primeiro turno. Por isso não está disposto a parar com suas manobras manjadas faz tempo. Pior é que sempre consegue o que deseja, com aquela mesma conversa dos anos 60, 70, não mudou nada. Como o brasileiro em geral, ele também esquece do que fez a este país, assaltos como nunca se viu no mundo. Por isso foi preso. E por isso transformou-se em candidato à Presidência da República, depois de um golpe do Supremo Tribunal Federal, que livrou o grande herói de todas condenações. E assim, livre e solto, ainda anda atrás de alianças para se fortalecer. Tem atraído lideranças de partidos que sempre foram adversários ou inimigos, sem o menor constrangimento. Isso inclui até o PSDB. Outro alvo de Luiz Inácio da Silva são algumas lideranças do chamado Centrão, onde residem os grandes “heróis” da política brasileira. Lula gosta de gente que não presta.

Os contatos de Lula estão sendo feitos com muito afeto, individualmente. Muitos nomes que são figurinhas carimbadas da política brasileira já foram conquistados. A expectativa é que muita gente vai embarcar nessa canoa. Além do incrível PSDB, que está caindo aos pedaços, Lula está de olho nas lideranças e integrantes do MDB, PSD e União Brasil. Parece inacreditável, mas Lula tem conversado com gente até do PL, o partido do presidente Jair Bolsonaro. E muita gente do PL está gostando desses afagos. O grande lance de esperteza de Lula é o MDB. Entre outros, já estão no bolso o líder do partido na Câmara, Isnaldo Bulhões, e no Senado, Eduardo Braga, além de Eunício de Oliveira e Renan Calheiros. Exatamente a ala do MDB que pressiona a senadora Simone Tebet a desistir de sua candidatura em favor de Lula, com apoio já no primeiro turno. No PSD de Gilberto Kassab já aderiram a Lula o senador Omar Aziz e Otto Alencar, além do deputado Marcelo Ramos.

Luiz Inácio está feliz da vida. Fora todas essas conquistas, há ainda gente do PSDB que apoia Lula, caso do senador e ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira, um dos mais ferrenhos adversários da ditadura militar, exilado político. Se a candidatura de Simone Tebet naufragar, muitos outros tucanos vão se aliar a Lula. Ele afirma que conta com o apoio até do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já informou que nunca votará em Bolsonaro. Não é brincadeira. É jogo duro. E assim, o país chegará a outubro diante de duas criaturas que grande parte dos brasileiros não quer ver pela frente. Lula, pelo seu passado esperto de enriquecer com o dinheiro público; e Bolsonaro, por ser esse sujeito que é, negacionista em praticamente tudo e especialmente pelo que fez durante a pandemia, fora a neura de armar todo mundo para o faroeste brasileiro. Os maricas que mais sentiram esse comportamento do motoqueiro foram as mulheres, que se afastaram de sua candidatura, porque são mães e compreenderam bem a conduta de um presidente que nunca honrou o cargo que ocupa. Um aliado do caos e do pouco caso.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.