Se engana quem pensa que Moro desapareceu: o que menos lhe interessa agora é virar notícia

Ex-juiz faz seus contatos fora das manchetes; se ele for candidato à presidência, quem ganha é o Brasil, porque poderá contar com um nome dos mais importantes do país

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 29/10/2021 12h15 - Atualizado em 29/10/2021 12h17
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoEx-ministro Sergio Moro deve se filiar ao Podemos em novembro

O ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro parece ter desaparecido do mapa. De vez em quando sai uma noticinha sobre ele e mais nada. Aliás, tem-se que dizer: o golpe de que foi vítima não é para qualquer um suportar e ainda pensar em alguma coisa neste país. Mas, estão enganados os que pensam que Sergio Moro desapareceu. Não. Está fazendo os seus contatos longe do noticiário. O que menos lhe interessa, no momento, é virar notícia. O partido Podemos está perto de filiar o ex-juiz. E Moro tem se mostrado interessado, não escondendo dos amigos mais próximos que pensa em 2022, sim. Já tem até data marcada: Sergio Moro se filiará ao Podemos em novembro. Mas o partido está meio rachado exatamente por isso. Várias lideranças não desejam que a legenda faça uma campanha eleitoral em 2022 apenas defendendo a Lava Jato, que os corruptos brasileiros protegidos pelo Supremo Tribunal Federal conseguiram dar um fim.

Internamente, Sérgio Moro já é tratado como pré-candidato à Presidência da República. Seria a terceira via que tantos milhões de brasileiros esperam para escapar de Luiz Inácio da Silva e Bolsonaro. Dentro do Podemos há alguma resistência quanto a Moro, especialmente no Nordeste, que prefere uma aliança com o PT. Exatamente, o PT. No entanto, essa resistência não chega a preocupar a cúpula do partido. Há ainda gente do Podemos que apoia Moro, mas sem romper com Bolsonaro. É aquela gentinha que não sabe o que fazer da vida e fica jogando para seu lucro próprio. Os que apoiam Sergio Moro no partido garantem que o ex-juiz não será o ‘candidato da Lava Jato’, mas do Brasil. Por isso, o país precisa estar unido com gente especialmente do centro. O Podemos já divulgou nota a respeito disso tudo, dizendo que a direção geral do partido preza pela pluralidade e respeito, além de compreender as diferentes realidades locais, mas discorda totalmente de apoio ao PT ou a Bolsonaro. Isso nem pensar. O partido quer mesmo partir para um nome novo que esteja disposto a enfrentar especialmente a corrupção e o privilégio de muitos.

O destino de Moro vai depender do resultado das pesquisas. Dependendo dos números, ele poderá se candidatar ao Senado. Mas por enquanto o pensamento é mesmo sair candidato à Presidência da República. Tanto que tem se reunido com vários líderes empresariais, montando sua equipe para a eleição do ano que vem. Moro está à procura de técnicos que tenham condições de enfrentar a crise econômica do país. A crise – conforme observa Moro – é resultado do desmonte do combate à corrupção pelo Congresso e pelo governo Bolsonaro. Os nomes estão sendo guardados em sigilo. A filiação de Moro ao Podemos poderá ser realizada no dia 10 de novembro, em Brasília. Grande parte do eleitorado que não deseja nem Bolsonaro nem Lula espera esse dia com alguma esperança. Mas é muito difícil ter alguma esperança no Brasil. Aqui tudo se perde com uma irresponsabilidade que impressiona os que ainda conseguem pensar no país. Não se sabe se Sergio Moro pode se firmar como a esperada terceira via. Mas seu nome está aí preparado para entrar nessa luta. Se conseguir o que deseja, quem ganha é o Brasil, porque poderá contar com um nome dos mais importantes do país, que foi derrotado pelos corruptos e pelo que de mais repugnante temos ainda na política brasileira.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.