Augusto Nunes: Antipetismo explica migração de votos para Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 07/10/2018 21h25 - Atualizado em 07/10/2018 21h29
Jovem Pan Antipetismo contribuiu para resultado de Jair Bolsonaro no primeiro turno

Após a definição das eleições para Presidência da República, com Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) indo para o segundo turno, Augusto Nunes fez sua análise na cobertura especial da Jovem Pan. Para o comentarista, a migração de votos para o militar pode ser explicada pelo “antipetismo”.

“O Alckmin cai de 7 para 4 e todos os votos vão para onde? Foram para o Bolsonaro. Isso aconteceu em consequência do antipetismo, sobretudo em São Paulo. O candidato do PT para governador em São Paulo, Luiz Marinho, teve um digito. Isso é votação que se apresente? Ele ia para os debates com a camisa escrito Lula Livre. E dizia sempre isso: eu sou o candidato do Lula. São Paulo se consolidou como um reduto antipetista, que é inexpugnável”, disse.

Confira a análise: 

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.