Augusto Nunes: Celso Amorim foi sempre um minúsculo monumento ao ridículo

  • Por Jovem Pan
  • 29/08/2018 11h28
EFE EFE Celso Amorim entrou no coro de “Eleição sem Lula é fraude”

Sempre que o ex-ministro Celso Amorim reaparece, eu releio uma crônica que publiquei em setembro de 2004. Ele entrou no coro de “Eleição sem Lula é fraude”. Relembro o texto “Um Passarinho na Primeira Classe”. O episódio atesta que Celso Amorim foi sempre um minúsculo monumento ao ridículo.

Confira o comentário completo de Augusto Nunes:

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.