Saiba quais são as melhores estratégias para driblar a insegurança

Evitar comparações é um ótimo caminho para não alimentar dúvidas sobre si mesmo; além de fazer com que a gente se sinta inadequado, olhar para a vida alheia pode despertar ressentimentos e inveja

  • Por Camila Magalhães
  • 28/10/2021 10h00
yanalya/FreepikEstudos mostram que enxergar os desafios como parte de um contexto maior é o que nos traz mais sentido e satisfação para a vida

A insegurança é um sentimento universal. Todos nós, em algum momento da vida, já duvidamos de nossas habilidades e capacidades. Para piorar, quando nos sentimos assim, a nossa memória parece resgatar somente os nossos piores momentos. Os fracassos nem sempre são evitáveis, principalmente em situações que não dependem só de nós. Mas a boa notícia é que existem algumas estratégias que podem nos ajudar a driblar a insegurança. A primeira delas é ser honesto com você, o que é muito diferente de fazer autoafirmações do tipo “vai ficar tudo bem” ou “eu sou melhor que os outros”. Até mesmo porque, quando este tipo de afirmação é confrontado com um desempenho ruim, a decepção pode prejudicar nossa motivação.

Em segundo lugar, evite comparações com o desempenho de outras pessoas. Embora as redes sociais tenham ampliado as possibilidades de criarmos ilusões sobre a vida alheia, isso também acontece na convivência real. Na grande maioria das vezes, as impressões que temos dos outros não correspondem à realidade. Não há como saber tudo que acontece na vida das pessoas. Por isso, é impossível comparar nossas experiências com as delas. A comparação, além de fazer com que a gente se sinta inadequado, pode despertar ressentimentos e inveja, o que só prejudica os nossos relacionamentos. Apreciar as características que são só nossas — e que nos diferenciam dos outros — pode ser uma estratégia muito mais eficaz.

Os estudos mostram que enxergar os desafios como parte de um contexto maior é o que nos traz mais sentido e satisfação para a vida. Por isso… Crie os seus parâmetros a partir das suas próprias experiênciasSe a comparação for irresistível, é melhor que seja em relação a alguma experiência própria do passado. E, por fim, lembre-se de quem é, o que é importante para você e os seus objetivos e valores. Em vez de focar na qualidade do desempenho, concentre-se no que poderá aprender a partir daquela experiência. Está inseguro? Tem algum comentário ou quer sugerir um tema? Escreva para mim: @dra.camilamagalhaes

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.