Nem tudo é atraso no Brasil

  • Por Carlos Andreazza/Jovem Pan
  • 25/06/2018 08h25
Stevepb/PixabayOu o país compreende que seu crescimento perene depende de contas públicas equilibradas ou continuaremos a cortejar o caos

A informação, por exemplo, de que o Ministério da Fazenda se dedica a apresentar ao comando de campanha dos pré-candidatos à Presidência da República a real situação das contas públicas brasileiras é sinal de avanço. Não importam colorações partidárias.

Cabe ao governo de turno ser transparente e oferecer subsídios para o debate, sobretudo acerca dos problemas de natureza fiscal. Para que ninguém possa ser chamado de ignorante em ano eleitoral.

Embora seja improvável que se discuta um programa de reformas a fundo ao longo da campanha, é preciso ter clareza a respeito: não assumir o compromisso de enfrentar a questão da previdência é ignorar um dos mais paralisantes dramas brasileiros. Isso nada tem a ver com ideologia. É fato.

Ou o país compreende que seu crescimento perene depende de contas públicas equilibradas ou continuaremos a cortejar o caos.