Denise: Selic bate novo recorde e chega a 4,75%

  • Por Jovem Pan
  • 30/09/2019 11h32
Adriano Makoto Suzuki/FlickrEssa projeção é sustentada na previsão de um crescimento ainda fraco da economia, que o mercado mantém em 0,87%

Uma novidade na projeção do mercado. Pela primeira vez o mercado começa a considerar Selic abaixo de 5% neste ano. Já havia muita especulação nesse sentido desde que foi decidido o novo corte da taxa básica de juros e o Banco Central deu a indicação de que poderia prosseguir além do que era esperado.

O mercado reduziu a previsão de Selic no final desse ano de 5% para 4,75%. Essa projeção é sustentada na previsão de um crescimento ainda fraco da economia, que o mercado mantém em 0,87% – lembrando que na última semana o BC elevou a projeção dele para 0,9%.

Em relação a inflação, um novo corte. Definitivamente, a inflação não está sendo um problema. A projeção para esse ano está em 3,43% e para o ano que vem em 3,79%. Portanto, no ano que vem, inflação abaixo da meta.

Agora vamos ver como a economia vai reagir a esses juros básicos em um patamar recorde de baixa, que já vem ocorrendo. A gente nunca teve uma taxa tão baixo como a atual, que ainda vai sofrer novos cortes.

O que se espera é que isso estimule mais o consumo e que haja repasse para o uso do crédito. Mas tem um impacto muito importante que ainda nós vamos ter que aferir, na prática, que é o baixo rendimento nas aplicações financeiras fazendo com que as empresas comecem a investir mais nas próprias atividades.

Muita gente deixa o dinheiro aplicado sem querer se arriscar em um ambiente de fraqueza de atividade, só que esse dinheiro aplicado pode resultar em perdas. Da mesma forma que os bancos ganham muito com tesouraria, eles investem em títulos do Governo, por exemplo. Garante uma excelente rentabilidade.

Na medida que essa rentabilidade diminui, talvez eles ofereçam mais crédito e, por aí, deve vir alguma redução nos juros. Essa é a projeção ideal, é ver na prática se ela vai se confirmar.