Josias de Souza: Bolsonaro potencializou impressão de que Brasil é presidido pela anormalidade

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2020 07h58
Marcos Corrêa/PRO presidente estava reunido com empresários e representantes da indústria quando sugeriu a ida ao Supremo, sem avisar

Jair Bolsonaro vai ao STF pressionar pelo fim do isolamento social. O presidente estava reunido com empresários e representantes da indústria quando sugeriu a ida ao Supremo, sem avisar, para cobrar medidas de ajuda a economia.

“Ao marchar ao STF com grupo de empresários para pedir ao presidente da Corte a retomada da normalidade, Jair Bolsonaro potencializou a impressão de que o Brasil é presidido pela anormalidade. Há na praça um vírus que produz mais de 600 cadáveres por dia e o presidente da República age como se não tivesse nada a ver com o problema e como se a solução pudesse ser obtida por meio de uma liminar do judiciário.

Como se a situação fosse voltar ao normal por uma liminar judicial. Dias Toffoli, presidente do STF, sugeriu a Bolsonaro que criasse um comitê de crise e dialogasse com governadores e prefeitos para construir um plano conjunto de superação da crise. Em outras palavras, o presidente foi aconselhado a presidir. A Presidência da República é intransferível e Bolsonaro gasta mais tempo e energia ao falar dos problemas do que ao enfrentá-los. O pais está ávido por conhecer o plano Bolsonaro de volta a normalidade.”