Josias: Em SP e BH, pesquisas atribuem mais chances de reeleição à ‘turma do fique em casa’

No Rio de Janeiro, Crivella, que é apoiado por Jair Bolsonaro, luta por uma vaga no 2º turno

  • Por Jovem Pan
  • 13/11/2020 08h08 - Atualizado em 13/11/2020 10h52
Nilton Fukuda/Estadão ConteúdoSegundo o Datafolha, a rejeição ao presidente passou de 48% para 50% na capital paulista; aprovação caiu de 25% para 23%

Avaliação de Jair Bolsonaro piora no Rio de Janeiro e em São Paulo. Segundo o Datafolha, a rejeição ao presidente passou de 48% para 50% na capital paulista — onde a aprovação ao governo caiu de 25% para 23%. “A rejeição do presidente oscilou dois pontos para cima em São Paulo e bateu em 50%. No Rio de Janeiro, a aprovação caiu 6% e estacionou em 28%. Em Belo Horizonte já havia caído 5 pontos e ficou estável agora”, disse o comentarista do Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Josias de Souza.

“Nessas cidades, as eleições se transformam em plebiscito das ações dos prefeitos na pandemia. As pesquisas atribuem mais chance de reeleição aos prefeitos que o Bolsonaro chama de ‘turma do fique em casa’. É o caso do prefeito Bruno Covas, mais bem posto na corrida eleitoral de São Paulo, e de Alexandre Kalil — que flerta com a reeleição em 1º turno. No Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella, que deu mais ouvidos ao Bolsonaro, briga para não ficar de fora do 2º turno. Os sinais são muito eloquentes. Resta saber se o presidente vai saber lê-los.”