Marco Antonio Villa: Diferente de Mariana, investigações sobre Brumadinho devem ir até o fundo

  • Por Jovem Pan
  • 29/01/2019 07h45
EFEA barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, se rompeu em 25 de janeiro de 2019

Engenheiros que atestaram a segurança da barragem que se rompeu em Brumadinho são presos nesta terça-feira (29). Nesta manhã, dois profissionais foram detidos em São Paulo, e outros três, em Minas Gerais; e a PF cumpre mandados em empresas que prestaram serviços para a Vale.

“A questão que se coloca agora na maior tragédia de barragens do mundo nesta década é que não vai ser esquecida. Diferente de Mariana, a apuração deve ir até o fundo é preciso análise técnica de órgãos técnicos que autorizam as licenças ambientais. O que está ocorrendo agora é que quem atestou segurança na barragem fez, no mínimo, uma análise equivocada”, diz Marco Antonio Villa.

Confira o comentário completo: