Villa: Entre EUA e Irã não há mocinhos

  • Por Jovem Pan
  • 13/01/2020 07h59
EFE/Abedin TaherkenarehAtos públicos começaram no sábado (11) quando autoridades locais admitiram que derrubaram por engano o avião ucraniano

No Irã, fim de semana é marcado por protestos contra o governo. Atos públicos começaram no sábado (11) quando autoridades locais admitiram que derrubaram por engano o avião ucraniano em um acidente que matou 176 pessoas.

“Só lembrar e recordar o que já falamos na semana passada: esse incidente é extremamente lamentável e tem que ser repudiado. Lembrar também que no dia 3 de julho de 1988, no Golfo Pérsico, os EUA abateu um avião de passageiros do Irã com 290 pessoas a bordo — as quais 66 crianças. O governo americano inicialmente negou e depois teve que reconhecer que foi um erro. Um erro lamentável, assim como o que aconteceu no Irã. Um erro justifica o outro: Claro que não! O mundo não é binário.

Enquanto nós continuarmos com analises pobres, medíocres e a serviço de interesses extranacionais e achar que o mundo é binário. Entre EUA x Irã não tem mocinho. Nessa questão não tem mocinho. É uma potencia regional Irã e uma potencia mundial EUA que estão se digladiando em uma região que é tensa há milênios — antes de existir os Estados Unidos. Os problemas que ocorrem na região aconteciam desde antes de Cristo. São tabuleiros diferentes que jogam ao mesmo tempo. O Oriente Médio é muito complexo. Por isso, para os brasileiros, quanto mais longe estivermos, melhor.”