Constantino: Acusação de Paulo Marinho precisa ser provada

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2020 07h46
Fábio Motta/Estadão ConteúdoEm nota, o senador diz que o suplente Paulo Marinho parece ter sido tomado pela ambição e teria interesse eleitoral ao deflagrar a denúncia

Flávio Bolsonaro nega que teve acesso antecipado a informações sobre operação da Polícia Federal. Em nota, o senador diz que o suplente Paulo Marinho parece ter sido tomado pela ambição e teria interesse eleitoral ao deflagrar a denúncia.

“A acusação do empresário Paulo Marinho, hoje ligado ao PSDB e pré-candidato no Rio de Janeiro à Prefeitura pelo partido, é grave. Agora, precisa ser provada. O que o Paulo Marinho disse é que tem duas testemunhas, mas que eram advogados criminais, que teriam sido escutados pelo Flávio em relação a isso.

A Polícia nega que houve adiamento da Operação Furna da Onça, o senador Flávio Bolsonaro mostra documento onde diz que a investigação era estadual e não da PF. Agora, se houve vazamento por parte de alguém da PF para a família Bolsonaro, isso sem dúvida é muito grave.

Mas o que o Brasil quer agora é prova. Se ficar a palavra de um contra a de outro, vai ser tudo uma questão politica. Porque Paulo Marinho fez a denúncia para uma colunista social do jornal que é mais adversário possível do presidente da República e ele, que hoje é tucano, com interesses eleitorais.”