Constantino: Derrota de Macri serve de aviso para Bolsonaro: Economia é importante

  • Por Jovem Pan
  • 12/08/2019 10h36
EFEBolsonaro apoia reeleição de Macri no país

A chapa da Frente de Todos, formada por Alberto Fernández e pela ex-presidente Cristina Kirchner, impôs uma dura derrota ao presidente da ArgentinaMauricio Macri, nas eleições primárias realizadas neste domingo (11). Alguns definiram a derrota de Macri nestas “pré-eleições” como uma “catástrofe”.

“É mesmo uma catástrofe. Quando Macri venceu, em 2015, foi um clima de euforia. Ele derrotou o bolivarismo, o kirchnerismo, o peronismo, tudo isso é muito forte na Argentina ainda, e veio com um discurso reformista, liberal, um empresário de sucesso. Ele se vendeu como um grande liberal, muita gente acreditou, mas ele não governou como um. Alguém que congela preços, que estimula o consumo artificialmente manipulando taxa de juros, tudo isso são medidas que nenhum liberal aceitaria como receita para os problemas do país, e esse é o grade problema.

O país continua mergulhado em uma baita crise econômica, com inflação de 50% ao ano mais ou menos, um terço quase na pobreza, na miséria, e o que houve nessas primárias, que são espécie de aquecimento para as Eleições em 27 de outubro são uma espécie de ‘punição’ a essa má gestão do Macri. ELE demorou demais para fazer as reformas necessárias, empurrou com a barriga os problemas e os eleitores resolveram puni-lo mesmo com o receito da volta de Kirchner e de tudo que ela representa. Castigo do Macri venceu medo da volta do kirchnerismo, mas é uma vocação para a tragédia.

A Argentina já foi um dos países mais ricos, não é do continente ou da América Latina, não, é do mundo, no início do século XX. É uma história impressionante de erro atrás de erro, flertando sempre com esse populismo, com essas coisas todas de receitas mágicas, de bala de prata que vai resolver todos os problemas econômicos e sociais na canetada do Estado. Macri veio confrontar isso e não conseguiu entregar. A forma cabisbaixa como ele reconheceu a derrota e o eufonismo do outro lado mostra que, provavelmente, em 27 de outubro, a chapa kirchnerista pode levar no primeiro turno.

E fica como lição para Bolsonaro, não só porque apoia a reeleição de Macri abertamente, o que tem risco político, mas que para o Brasil é o ideal, mas fica como alerta: a economia é muito importante. Se achar que pode manter militância engajada nas redes sociais, com mitadas e frases de efeito, e esquecer a parte econômica, o povo vai punir nas urnas”, avaliou Constantino.