Constantino: Morte de general do Irã é grande conquista do combate ao terrorismo no mundo

  • Por Jovem Pan
  • 03/01/2020 08h03
EFEA ação foi ordenada pelo presidente norte-americano, Donald Trump

O chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e um dos homens mais poderosos do país, Qassem Soleimani, foi morto, nesta quinta-feira (2), em um ataque aéreo dos Estados Unidos em Bagdá, no Iraque. A ação foi ordenada pelo presidente norte-americano, Donald Trump.

A morte elevou ao nível máximo a escalada de tensão entre o Irã e os EUA. O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, alertou que uma “retaliação severa está aguardando” Washington. Já o presidente do país, Hassan Rouhani, disse que agora o Irã estará mais determinado a resistir aos EUA e prevê vingança.

“Uma boa notícia para quem gosta de combater o terrorismo no mundo. É óbvio que todos têm direito de estar preocupados com a reação, a retaliação que virá do governo iraniano, mas o solemani era o líder da inteligência por trás da milícia iraniana que ia se espalhando e bancando o terrorismo na região. Ele não foi morto em um assassinato praticado pelo governo americano, mas sim em um ato legal de guerra num pais estrangeiro. Ele é o responsável por milhares de mortes de inocentes. Uma grande conquista do combate ao terrorismo no mundo”, avaliou Constantino.