Constantino: Uso político do vazamento de óleo precisa parar

  • Por Jovem Pan
  • 21/10/2019 09h17
ESTADÃO CONTEÚDOSegundo a Marinha, até o momento, mais de 500 toneladas de óleo foram retiradas das praias

Mais de 525 toneladas de resíduos foram retiradas das praias do litoral dos estados da região Nordeste atingidas por manchas de óleo, desde o início dos trabalhos de limpeza, afirmou a Marinha por meio de nota neste domingo (20).

“Uma tragédia. Tem uma grande divisão clara, de uma forma quase maniqueísta, daqueles que estão agindo para conter o problema, e os que vivem apostando na retórica. Nada contra você chamar atenção para o problema, inclusive é uma crítica que eu vinha fazendo, que quando se falou em óleo vindo da Venezuela e coisas do tipo, quando não deu muito para explorar, do ponto de vista político contra o governo essa desgraça, muitos ambientalistas ligados à esquerda se calaram.

Então eu acho até bom que estejam jogando luz sobre a questão, – o time do Bahia vai fazer um protesto, vai jogar com a camisa com a mancha do óleo. Legal protestar, mas a gente precisa de gente que faça. Então esse trabalho de conter esse óleo e de retirar das areias das praias nordestinas mais de 525 toneladas já, é um trabalho muito bonito e voluntário.

Tem o governo, a Marinha, funcionários da Petrobras, mas tem muitos voluntários metendo a mão na massa – ou no óleo. Enquanto isso, a turma do Greenpeace fala que não está nas praias ajudando porque isso exige conhecimentos técnicos e específico. Mentira. Tem imagens circulando, aos montes, de gente de sunga, com as próprias mãos, enrolando esse óleo e colocando em sacos pra depois levar embora.

Então é uma pena, nessa hora, que tenha muita gente que queira só fazer discursos e não ajudar, de fato, a resolver o problema”, disse Constantino.