Rodrigo Constantino: Como diria Thatcher, precisamos de mais bilionários!

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2019 20h06
Itaci Batista - Estadão ConteúdoA existência de bilionários é benéfica para a sociedade, e não algo a se lamentar

Todo ano nessa época, em que ocorre o Fórum Econômico Mundial em Davos, a ONG socialista Oxfam divulga seu relatório sobre as desigualdades, dando a entender que os ricos são ricos porque os pobres são pobres, como se economia fosse um bolo fixo, um jogo de soma zero. E a mídia, que adora sensacionalismo e tem viés de esquerda, costuma dar enorme destaque para o relatório da Oxfam: menos de 30 bilionários concentram a renda de metade da população mundial, como não ficar chocado?

As estatísticas podem ser a arte de torturar números até que confessem aquilo que desejamos provar. Vejamos um exemplo: 15% dos acidentes de carro são causados por motoristas alcoolizados. Isso quer dizer que 85% dos acidentes são provocados por motoristas sóbrios. Vamos beber umas geladas para reduzir os acidentes?

No caso acima, é fácil deduzir o mau uso da estatística, mas já não é tão fácil dizer onde exatamente está o erro. O mesmo ocorre quando alguém diz que a maioria das pessoas que bebe refrigerantes dietéticos é gorda. Logo, provavelmente esses refrigerantes engordam.

Voltando ao relatório da Oxfam, a quantidade de bilionários aumentando é um fato tratado como notícia negativa. Onde já se viu? Se esses ricaços ficaram ricos empreendendo no mercado, e não por meio de favores do governo, onde está o problema? Quem os fundadores da Amazon, Apple ou outra empresa do tipo exploraram para acumular tanta fortuna?

Em resumo: Alguém tem dúvida de que esses caras criam algo de muito valor para as pessoas, mundo afora? Quando você compra um produto ou utiliza um serviço fornecido por empresas deles, é por satisfação ou por obrigação? Se é por satisfação, não é justo apontar-lhes o dedo e dizer que sua fortuna é resultado da pobreza alheia.

Resumindo, economias verdadeiramente capitalistas, onde o governo não interfere escolhendo campeões, a existência de bilionários e, consequentemente, de desigualdades é benéfica para a sociedade, e não algo a se lamentar. Ficaram ricos porque produziram riquezas e empregos. Focar só nas desigualdades, em vez de olhar para a quantidade absoluta de miseráveis, que vem despencando graças ao capitalismo, é aderir à ideologia da inveja, o socialismo. Como diria Thatcher, precisamos de mais bilionários!