Rodrigo Constantino: Temer estancou a sangria e deixou a bola na cara do gol para Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 24/01/2019 19h01
Mateus Bonomi/AGIF/Estadão ConteúdoO novo presidente encontrou um cenário bem melhor e mais tranquilo

O primeiro mês do ano teve a inflação mais baixa desde o Plano Real, implementado em 1994. Considerado a prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) registrou variação de 0,3% em janeiro. Os dados foram divulgados na manhã desta quarta-feira (23/01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Enquanto o índice de preços caía… novas vagas de trabalho com carteira assinada eram criadas: O Brasil criou 529.554 vagas de emprego com carteira assinada em 2018, segundo dados do Caged, divulgados nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia. O resultado vem após três anos de queda, e é o melhor desde 2013, quando o saldo foi positivo em 1.138.562 postos de trabalho. O número se refere ao saldo, ou seja, às contratações menos demissões.

Qualquer brasileiro sabe que a situação ainda está bem complicada, e não chega a festejar demais esses indicadores. Mas economia se faz na margem, na segunda derivada, e o que importa aqui é destacar que as coisas estão melhorando aos poucos. A situação deixada pelo PT foi de caos total, de terra arrasada, com inflação em alta e emprego em baixa. O PIB chegou a cair mais de 7% em pouco mais de dois anos, o desemprego atingiu 14 milhões de pessoas, e mesmo assim a inflação subia. Era a visão do inferno!

As coisas começaram a mudar com Michel Temer e suas reformas mais liberais, traçadas na “ponte para o futuro”. Era o resgate de algum bom senso, após anos de nacional-desenvolvimentismo petista, fora pedaladas e politicagem nas estatais. Temer teria ido ainda mais longe nas reformas, não fosse o escândalo envolvendo Joesley Batista, numa operação para lá de suspeita.

Ainda falta muito para o brasileiro realmente celebrar os dados econômicos. Estamos longe disso. Mas é forçoso reconhecer que Temer estancou a sangria, e deixou a bola na cara do gol para Bolsonaro. O novo presidente encontrou um cenário bem melhor e mais tranquilo, pois parte da limpeza da sujeirada deixada pelo PT já tinha sido feita.

Agora resta Paulo Guedes e sua brilhante equipe continuarem com o trabalho das reformas liberais, para que o Brasil possa finalmente voltar a crescer de forma sustentável e com baixa inflação. Os liberais são os únicos com o mapa de voo correto. Para um bom economista, não é tão complicado assim saber o que deve ser feito, restando o desafio enorme de como executar o plano do ponto de vista político.

Já para os “economistas” de esquerda, cada novo fracasso de suas receitas é visto como prova de que é necessário redobrar a aposta na insanidade, enquanto os liberais, chamados para arrumar a bagunça, continuam sendo demonizados eternamente. É o jogo puro da retórica estética…