Balança comercial bate recorde para maio, com superávit de US$ 9,2 bilhões

Salto nas exportações brasileiras diante do aumento da demanda mundial por produtos básicos, como alimentos e minério de ferro, contribuiu, além da disparada do dólar

  • Por Samy Dana
  • 02/06/2021 15h40
Banco de Imagens/Estadão ConteúdoEste foi o maior superávit comercial já registrado no mês de maio desde o início da série histórica

Em um dia de dados positivos para a economia, com o Ibovespa quebrando recordes e o Produto Interno Bruto (PIB) surpreendendo, a balança comercial foi motivo de mais uma boa notícia. Segundo o Ministério da Economia, o saldo entre exportações e importações ficou favorável em US$ 9,291 bilhões em maio. Foi o resultado entre a soma das exportações, de quase US$ 27 bilhões, e as importações, que totalizaram US$ 17,657 bilhões, de acordo com os números oficiais. Segundo o governo, este foi o maior superávit comercial já registrado no mês de maio desde o início da série histórica, em janeiro de 1989.

Balança comercial

Exportações    US$ 26,948 bilhões
Importações    US$ 17,657 bilhões
Saldo              US$ 9,291 bilhões

Recordes

Mai. 2021        US$ 9,291 bilhões
Mai. 2020        US$ 6,837 bilhões

 

O recorde anterior tinha ocorrido no ano passado, pouco acima de US$ 6,8 bilhões. Três fatores colaboraram, segundo o Ministério da Economia. Um foi festejado ontem junto com os números do PIB: o salto nas exportações brasileiras diante do aumento da demanda mundial por produtos básicos, como alimentos e minério de ferro. Além de vender mais, o Brasil comercializou mais caro os produtos agropecuários, que estavam em maio 31% acima dos valores do mesmo mês em 2020. No caso da indústria extrativa, que inclui o minério de ferro, entre outros produtos, a alta é de impressionantes 119%; na indústria, mais 19%.

Alta produtos

Agropecuária              +31,4%
Ind. Extrativa              +119,5%
Ind. Transformação    +19,1%

 

E também contou para o saldo positivo da balança comercial a alta do dólar, que pode ter começado a cair mais forte em maio, mas ainda torna os produtos brasileiros mais competitivos, além de ampliar os ganhos dos exportadores. Com os números de maio, o saldo no ano está positivo em US$ 27,529 bilhões, valor quase 75% maior do que o saldo nos cinco primeiros meses do ano passado. As exportações já atingem praticamente US$ 109 bilhões no ano, e cresceram 46% em maio, de acordo com o Ministério da Economia. E no fim de todo o crescimento, a China. O gigante asiático segue o maior comprador dos produtos brasileiros. As vendas para o país foram quase três vezes maiores do que o que se vende para a União Europeia e quase quatro vezes o volume exportado para os Estados Unidos.

Principais mercados

China                          US$ 38 bilhões
Europa                        US$ 14 bilhões
Estados unidos           US$ 10,6 bilhões