Vera: Bolsonaro, Salles e Araújo tem atuação fraca na ONU até o momento

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2019 08h52
Alan Santos/PRPresidente chegou em Nova York nesta segunda-feira (23) acompanhado da esposa, Michelle Bolsonaro

Antes da abertura oficial da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que começa nesta terça-feira (24), em Nova York, com o discurso do presidente Jair Bolsonaro (PSL) às 10 horas, o fórum global começa, na verdade, cerca de um dia antes, com cúpulas de assuntos específicos e reuniões bilaterais entre chefes de Estado. Até aqui, no entanto, a atuação do governo brasileiro tem sido fraca.

Com desconforto após chegar à cidade ontem, Bolsonaro não participou de reuniões bilaterais, mesmo estando, por duas horas, no mesmo hotel que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que recebeu outros líderes, mas não o capitão reformado. Há a possibilidade de ambos se encontrarem ainda hoje, antes ou depois do discurso do presidente brasileiro, mas em um momento muito breve, já que Bolsonaro volta ainda hoje para o Brasil.

Enquanto isso, a cúpula mais importante, de Ação Climática, aconteceu também sem a presença do brasileiro, já que o país foi excluído por não ter mandado suas propostas e um balanço do que fez até agora para o cumprimento dos acordos climáticos em que está envolto. Nessa reunião, conduzida pelo presidente da França, Emmanuel Macron, foi aprovado um novo fundo de US$ 500 milhões para a proteção dos países com florestas tropicais, valor desdenhado pelo ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, que estava no local tentando melhorar a imagem do país no exterior – investiu, inclusive, uma grana em propaganda – mas perguntou, ironicamente, se esse dinheiro era por dia ou por semana.

Devemos estar nadando em dinheiro para desdenharmos de tantas ajudas internacionais assim, sucessivamente. Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deixou de ir a uma reunião do Grupo de Lima para participar de um encontro comandado por líderes americanos sobre liberdade religiosa.