Vera: Carlos mina democracia ao difundir descrédito nas instituições

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2019 08h13
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoEssa não é a primeira vez que grupo próximo ao presidente demonstra falta de apreço pela democracia

Apesar de suas postagens normalmente confusas nas redes sociais, em que utiliza uma sintaxe muito própria, ao escrever, nesta segunda-feira (9), que o Brasil não conseguirá ser transformado “na velocidade que desejamos” se for feito “por vias democráticas”, o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (PSL) não deixa dúvidas de seu viés claramente golpista.

Homens públicos, como ele, precisam entender que tem responsabilidades quando vão às redes sociais e fazem postagens desse tipo. A fala contra a normalidade democrática é bastante preocupante, principalmente quando vinda de um vereador que, além de ter um mandato, é filho do presidente da República e está sempre ao seu lado – além de já ter andado de carona duas vezes no carro presidencial, Jair Bolsonaro (PSL), inclusive, já atribuiu sua vitória à Carlos – e não pode ser ignorada.

Somado à isso, essa não é a primeira vez que pessoas em torno do presidente manifestam sua falta de apreço às práticas democráticas. Hoje em dia, no mundo, a democracia é minana a partir de dentro e da difusão, dentro da sociedade, de que vivemos uma eterna decepção com o sistema: o judiciário não corresponde às nossas aspirações, nem o Legislativo, a imprensa não nos compreende, o Ministério Público (MP) nos persegue.

Essa narrativa da eterna perseguição, conspiração e decepção com nossas instituições, como se elas não entregassem aquilo que a sociedade precisa, vem sendo uma estratégia pela qual se quebra a democracia. Aconteceu na Turquia, na Hungria e na Venezuela. É preciso, portanto, ficar atento: essa tática não é de esquerda, mas também de direita, usada por políticos populistas e que não tem apreço às vias democráticas.