Vera Magalhães: Câmara mostra que está mais forte que a articulação do Governo

  • Por Jovem Pan
  • 27/03/2019 07h55
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilFoi uma espécie de demonstração de força da Câmara e que veio com apoio de líderes do Governo

Nesta terça-feira (26), a Câmara aprovou em dois turnos, no mesmo dia, uma PEC que engessa o Orçamento. Essa foi uma resposta à resistência do presidente da República Jair Bolsonaro em negociar com o Congresso.

O clima é o pior possível. Ao longo do dia as declarações voltaram a se acirrar e foi desenterrada uma emenda de 2015, que torna basicamente o orçamento impositivo e influi na possibilidade de o Governo usar o orçamento para conter déficits.

Isso vai na contramão do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, queria, de ter um orçamento cada vez menos engessado. Foi uma espécie de demonstração de força da Câmara e que veio com apoio de líderes do Governo. O líder do PSL na Câmara, delegado Waldir, foi um dos que apoiaram a emenda.

O resultado agora é que o Congresso mostrou que conseguiu derrubar o intervalo de votação e votar a PEC com votos crescentes na segunda sessão. Com a articulação, a Câmara mostrou que está mais forte que a articulação do Governo.

A proposta contraria a ideia de Paulo Guedes de deixar o Orçamento menos engessado. Talvez tenha tido o caráter de querer fustigar o ministro da Economia que faltou à sabatina na CCJ. Mas ele foi cauteloso e acho que fez o certo sob o risco de pisar em minas terrestres.

Se ele fosse deixado aos leões na CCJ, como seria provavelmente, havia chance de que ele batesse boca com deputados e isso agravaria a possibilidade de aprovação da reforma da Previdência. Ele agiu de maneira cautelosa e isso não é motivo para atrasar a votação do projeto.

Sobre outras pautas-bombas, ainda existem várias engatilhadas e o Governo deve ficar atento.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: