A farsa do julgamento do TSE, um ministro brilhante e outro vergonhoso

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2017 07h52 - Atualizado em 28/06/2017 23h50
BRA101. BRASILIA (BRASIL), 08/06/2017 - Vista general hoy, jueves 8 de junio de 2017, en el tercer día del juicio por supuesta corrupción en la campaña presidencial que compartieron en 2014 la destituida Dilma Rousseff y el actual mandatario Michel Temer, en el Tribunal Superior Electoral, en Brasilia (Brasil). Esta tercera sesión lleva al proceso a su fase decisiva, pues servirá para terminar de resolver cuestiones preliminares formuladas por las defensas y dará paso al voto de los siete magistrados, que configurará la sentencia. EFE/Joédson AlvesMinistros do TSE durante julgamento da chapa Dilma-Temer

Julgamento no TSE chega à reta final com chances de absolvição da chapa Dilma-Temer. O ministro Herman Benjamin apontou que houve abuso de poder durante a campanha de 2014.

O relator da ação alega que o PT, o PMDB e os marqueteiros João Santana e Mônica Moura receberam propina de empresas contratadas pela Petrobras.

Nesta quinta-feira os ministros rejeitaram incluir os depoimentos da Odebrecht no processo que pode cassar Michel Temer. Hoje, Herman Benjamin deve terminar a leitura do voto dele.

A decisão final sobre o mandato de Temer e a inelegibilidade de Dilma Rousseff depende ainda dos outros seis ministros do TSE.

Marco Antonio Villa comenta: como já havia sido dito, já tinha placar definido.

É um julgamento político para salvar o governo.

Vale ressaltar o brilhantismo do ministro Herman Benjamin. Voto brilhante, técnico, sem cair nas provocações de Gilmar Mendes e do cangaceiro.

O papel do ministro Gilmar é vergonhoso. Ele, diferente de Herman, vai entrar pela porta dos fundos da história.

Napoleão tem um baixo nível absurdo.

Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira foram nomeados pelo Temer recentemente e não se sentiram impedidos. É inacreditável.

Fux e Weber vão votar pela cassação.

Daí vota Gilmar Mendes, que se autoelogiou o tempo todo. Imagina se fosse nos EUA.

A vida segue após esse julgamento, que é uma farsa.

A solução se dá ou pela renúncia do presidente, a Câmara não deve abrir a denúncia, ou pelo impeachment.

E vai ter mais denúncias contra o presidente Michel Temer. Aguarde.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.