Associação Brasileira de Imprensa repudia agressões a jornalistas na cobertura da prisão de Lula

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2018 06h22
Nilton Fukuda/Estadão ConteúdoNo texto, a ABI reiterou que os atos de intolerância não podem ser atribuídos exclusivamente à linha editorial dos veículos em que os jornalistas trabalham

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) publicou uma nota repudiando as agressões sofridas por jornalistas durante a cobertura da prisão do ex-presidente Lula.

De acordo com a entidade, foram 17 casos de agressão, intimidação e cerceamento da atividade profissional em Curitiba, São Paulo e João Pessoa. A maioria dos incidentes aconteceu em São Bernardo do Campo, onde apoiadores de Lula se reuniam em torno do ex-presidente antes de ele se entregar para a Polícia Federal.

Equipamentos e até automóveis dos veículos de imprensa também foram danificados.

De acordo com a associação, episódios dessa natureza conspiram contra a liberdade de imprensa, o livre acesso à informação e de expressão, além de representarem grave ameaça ao Estado Democrático de Direito.

No texto, a ABI reiterou que os atos de intolerância não podem ser atribuídos exclusivamente à linha editorial dos veículos em que os jornalistas trabalham.

No último domingo (08), o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo divulgou nota repudiando as agressões aos profissionais, mas afirmando que as empresas de comunicação também são culpadas pelos incidentes. A entidade, que é ligada à CUT, ainda criticou a prisão do ex-presidente Lula.

*Informações do repórter Levy Guimarães