Embraer admite pagamentos de propina e fecha acordo para encerrar investigações

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2016 07h59
DivulgaçãoEmbraer teve a compra da Boeing aprovada em janeiro

A Embraer vai pagar US$ 206 milhões a autoridades do Brasil e dos Estados Unidos para encerrar as investigações sobre casos de corrupção, envolvendo a companhia.

A fabricante de aviões admitiu pagamento de propina em negócios fechados na República Dominicana, na Arábia Saudita, em Moçambique e na Índia.

Segundo a Comissão de Valores Mobiliários, os desvios teriam sido feitos a partir de contratos de compra e venda de aeronaves, assinados entre 2007 e 2010.

A investigação no Brasil começou em setembro de 2014, depois que o Ministério Público Federal acusou repasse de propina na venda de oito aviões militares da Embraer para a República Dominicana.

O negócio foi fechado por US$ 92 milhões, em 2008, e também era alvo de denúncias nos Estados Unidos.

Além da punição financeira, a Embraer também terá que adotar normas de “compliance”, uma espécie de pacote de medidas anticorrupção.

O cumprimento das iniciativas será fiscalizado por dois monitores externos, um brasileiro e outro norte-americano.

A presidente da Comissão de Estudos de Compliance do Instituto dos Advogados de São Paulo, Carla Benedetti, avaliou que a admissão de culpa da Embraer será benéfica para a imagem da companhia.

Carla Benedetti afirmou ainda que a confissão não deve ter impactos negativos para os negócios da companhia.

Em nota, a Embraer declarou que sempre tratou o assunto com absoluta seriedade e disse que colaborou plenamente com as investigações.

A empresa lembra que reportou sistematicamente o progresso da investigação ao mercado financeiro, como parte do compromisso de divulgação de fatos relevantes aos investidores.

A companhia reconhece responsabilidade pelos atos de corrupção praticados, mas lamenta profundamente o ocorrido e afirma que as medidas de controle interno estão sendo aprimoradas.

Confira a reportagem completa de Vitor Brown: