Governo começa a pagar auxílio para quem teve salário reduzido

  • Por Jovem Pan
  • 05/05/2020 06h04 - Atualizado em 05/05/2020 07h28
Além disso, a CEF pode pagar auxílio emergencial de R$ 600 para mais 6 milhões de pessoas até o fim desta semana

Nesta segunda-feira (4), o governo deu início ao pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda, auxílio para trabalhadores com carteira assinada que tiveram os ganhos reduzidos em função da pandemia.

A solicitação deve ser feita pelo empregador no portal do Ministério da Economia. O valor será calculado a partir do que seria recebido de seguro-desemprego, com base no acordo firmado e na média dos últimos três salários.

O pagamento deve ser realizado em até 30 dias depois do pedido, na conta indicada pelo empregador. Se não houver essa informação, o trabalhador receberá pela Caixa.

A instituição disponibilizou plataformas digitais para consultas e pagamentos, eliminando a necessidade da presença física em agências.

Auxílio emergencial

A Caixa Econômica Federal pode pagar auxílio emergencial de R$ 600 para mais 6 milhões de pessoas até o fim desta semana. A entidade ainda aguarda autorização do Ministério da Cidadania e da Dataprev, empresa que processa os dados das solicitações.

O grupo envolve trabalhadores informais que fizeram o cadastro no aplicativo do banco e esperam a liberação do valor. De acordo com o presidente do banco, Pedro Guimarães, o número de benefícios repassados depende da data em que os pedidos serão feitos.

Segundo a Caixa 51,1 milhões cadastros foram finalizados no aplicativo. Foram pagos R$ 35,5 bilhões para 50 milhões de pessoas.

A data de pagamento da segunda parcela do auxílio será separada entre beneficiários do Bolsa Família e trabalhadores informais, uma medida que busca evitar aglomerações na hora do saque.

As 4,2 mil agências da Caixa ampliaram o horário de funcionamento e estão abrindo as portas às 8 horas da manhã. Pelo menos metade delas vai abrir neste sábado (9) para atender os contemplados.

*Com informações da repórter Nanny Cox