Bob Dylan sempre rejeitou rótulo de poeta, diz Peninha

  • Por Jovem Pan
  • 13/10/2016 12h21
Reprodução

O músico Bob Dylan foi agraciado com o prêmio Nobel da Literatura 2016, na manhã desta quinta-feira (13), por parte da Academia Sueca, por ter criado novas formas de expressão poética no quadro de grande tradição da música americana. De acordo com o jornalista Eduardo Bueno, o Peninha, o lendário compositor sempre rejeitou a alcunha de poeta e se declarava apenas como um letrista.

“É uma honra para ele e para os fãs. Para o Dylan, ele sempre foi um letrista e não um poeta. Nas entrevistas sérias, ele sempre negou esse título. Ele diz que o que faz está ligado a uma tradição literária americana, motivo pelo qual justificaram a sua vitória hoje”, disse.

Com uma personalidade misteriosa, Peninha destacou que sempre foi difícil fazer uma leitura exata de quem é Bob Dylan. Isso ajudou muito a construir a sua fama, segundo Bueno.

“É um jogo de espelho. Ele sempre foi labiríntico, nunca falou nada com clareza, isso fez a grandeza dele”, explicou.

O músico tem apenas dois livros escritos na carreira e para Peninha, o conjunto de sua obra, com mais de 50 anos de carreira e muitos sucessos, foi a responsável pela sua vitória no Nobel da Literatura.