Christian Malheiros vê semelhanças entre ele, ‘Sócrates’ e Nando, de ‘Sintonia’

Ator estourou com série da Netflix, mas antes viveu ‘Sócrates’ nas telonas; filme estreia nos cinemas nesta semana

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2019 12h40
Jovem PanChristian Malheiros e Alexandre Moratto foram os convidados do Morning Show desta terça-feira (24)

Elogiado por todos os festivais em que foi exibido, o filme “Sócrates” chega aos cinemas na próxima quinta-feira, dia 26 de setembro. Dirigido por Alexandre Moratto, o longa é estrelado por Christian Malheiros, que teve grande destaque na série “Sintonia”, da Netflix.

Para falar mais sobre “Sócrates”, o Morning Show desta terça-feira (24) recebeu Moratto e Malheiros para um bate-papo com a bancada. De cara, o ator que viveu Nando na produção da Netflix falou sobre como o personagem tem relação com o jovem da baixada santista do filme.

“Eu, Sócrates e Nando, vou colocar essas três personas, acho que temos muito em comum porque somos três jovens negros de periferia, o que distancia a gente são os caminhos escolhidos”, disse Malheiros.

O ator de 20 anos contou que o personagem Sócrates, assim como ele e Nando, conheceu a rejeição muito cedo, percebendo que estava sozinho na vida. “É uma coisa que na periferia você já vê. Eu também tive que amadurecer e me virar muito cedo, são coisas que ele [Sócrates] vai passando e entendendo. O personagem também sofre de uma indignação que é ‘pô, só tem isso pra mim?”.

O diretor Alexandre Moratto compartilhou que a trama é baseada em sua própria experiência. Em 2014, o cineasta perdeu a mãe e se sentiu completamente sozinho, já que ambos viviam nos Estados Unidos enquanto o restante da família estava no Brasil.

“Eu precisava colocar a solidão e angústia para fora, expressar isso, mas não queria fazer um filme sobre mim. Voltei para o Brasil e comecei a falar com meus amigos, daí de repente essa ideia veio. Para mim, como cineasta, é muito importante representar pessoas que não são representadas nas telas. Peguei uma história que pra mim é muito pessoal e coloquei nesse contexto, que não é meu, mas tem que ser representado.”