"Eu não quero um presidente brega”, diz Irene Ravache

  • Por Jovem Pan
  • 10/10/2014 11h31
Nathália Rodrigues/Jovem Pan

Com mais de 50 anos de carreira, a atriz Irene Ravache falou um pouco sobre a fama e também sobre o segundo turno das eleições no Brasil, que acontece no dia 26 de outubro.

“Chegamos em um momento bastante delicado, mas muito estimulante. Temos dois candidatos que algumas pessoas dizem que são diferentes outras dizem que são parecidos. Então esse é o momento de parar e pensar qual é o caminho, se existe semelhança, se as semelhanças são boas ou as diferenças. Quem está mais preparado para enfrentar o que vem pela frente”, contou a atriz no Morning Show desta sexta-feira (10).

Irene acredita que os candidatos devem prometer apenas o que é viável. “Não pode ser uma mudança de milagre, mas prometer uma mudança que você não vai fazer eu acho brega, cafona. Acho que principalmente se o candidato deixar de ser cafona no seu discurso. O cinema, a televisão, o rádio e a internet estão aí e você continua em um discurso jeca, brega. Eu não quero um presidente brega”.

Segundo ela, a agressividade começa por conta de exemplos ruins que temos diariamente em páginas de jornais. “Nós vivemos de você seguir um exemplo, foi assim que você aprendeu a andar, aprendeu a comer então você ser o tempo todo massacrado que não vale a pena ser bom, não vale a pena ser honesto. Tem que se completar”.

Nas novelas, Irene já interpretou diversos personagens. Apesar disso, ela garante que não existe um que a marcou mais que outro. “Todos eles marcam e marcam muito, tanto no sentido do personagem ruim ou aquela novela que não fez o sucesso esperado”, e completa: “Você nunca mais é a mesma depois da convivência com um personagem. É como uma convivência com um amigo que está ali com você, que tem um outro jeito de falar. É como uma convivência com um amigo, como um namorado, marca para sempre”.

Atualmente, Irene está em cartaz com a peça Meu Deus, ao lado do ator Dan Stullbach. A história se passa em um dia na vida da psicóloga Ana, personagem interpretada por Irene Ravache, que recebe um telefonema misterioso de um homem desesperado que insiste em marcar uma consulta com ela no mesmo dia. Quando ele chega, apresenta-se como Deus.

“Esse Deus fala bem, ele tem uma voz bonita, uma presença encantadora. No final do espetáculo ele escuta até declarações, as pessoas gritam ‘lindo’”, brica.

No final de sua participação, a atriz aconselhou: “Meu conselho seria: Deus entra em uma loja próxima de disco e compre um CD de Caetano Veloso e escute uma musica que ele diz para ‘ficar atento e forte’, porque às vezes me parece que o senhor anda distraído e é preciso muito estar atento e forte”, concluiu.

Meu Deus

Teatro Sérgio Cardoso
Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo – SP
Quinta a sábado, 21h30; domingo, 19h