Investidores do Shark Tank Brasil criticam burocracia brasileira para abrir negócio

  • Por Jovem Pan
  • 03/11/2016 12h12
Reprodução/Youtube

O Jovem Pan Morning Show desta quinta-feira (3) recebeu três empresários de sucesso que fazem parte do programa “Shark Tank Brasil – Negociando com Tubarões”, que vai ao ar toda quinta-feira, às 21h, no canal fechado Sony. Com muita experiência de mercado, Cristiana Arcangeli, Robinson Shiba e Carlos Wizard criticaram as dificuldades burocráticas que o estado impõe sobre o microempreendedor e disseram que o brasileiro é um herói por tentar abrir seu próprio negócio.

“O estado é inimigo dos empreendedores. Aqui se você precisa de uma patente, você demora cinco anos para consegui-la. Lá nos Estados Unidos saem em três meses. Um país que faz demorar um ano para alguém ganhar dinheiro só pode ser contra o empreendedorismo”, concordaram Cris e Shiba. “Não vejo corrupção nisso tudo, mas sim um sistema arcaico e desatualizado, o que deixa tudo nessa falta de agilidade”, completou Arcangeli.

No reality show, o trio e outros três empresários ficam cara a cara com microempresários que querem turbinar o seu negócio e que precisam de aporte financeiro e outras coisas para ver a sua ideia crescer. Ex-dono da rede de idiomas Wizard, Carlos afirma que é importante os candidatos chegarem com a ideia definida na hora de vende-la para fora.

“Muita gente aparece com uma ideia brilhante, mas nunca a venderam em lugar algum. O sucesso acontece quando a pessoa atende uma necessidade do mercado e em larga escala. Quando ela nunca vendeu, fica difícil de a gente investir”, explicou.

Mesmo com a atual situação econômica que o país vem passando, Wizard vê uma boa possibilidade de microempresários continuarem a ganhar dinheiro com seus negócios. Usando a si próprio como exemplo, ele relembra que precisou enfrentar diversas mudanças de moeda e uma inflação fora de controle quando iniciou seus investimentos.

O empresário acredita que o governo Michel Temer acertou em propor a PEC 241, que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. Para ele, isso fará empresas a se sentirem mais confiantes a investir no Brasil.

“Só o fato dele fazer o congresso funcionar já foi uma sinalização do Brasil conseguir voltar a funcionar. Estava tudo travado por conta do impeachment e a principal sinalização foi essa, votar coisas importantes e relevantes ao país. Como empreendedor estou mais confiante e espero que cumpram o seu papel”, comentou.