Kim Kataguiri será candidato a Deputado Federal nas próximas eleições

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2017 12h08
Reprodução/Youtube

O Brasil será dominado por protestos contra a corrupção no dia 26 de março e Kim Kataguiri e Rogério Chequer, respectivamente líderes do Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua, convocaram a população para saírem às ruas no Morning Show desta terça-feira (21). Além disso, Kataguiri revelou que seguirá os passos de Fernando Holiday na política, confirmando que irá se candidatar para Deputado Federal nas eleições de 2018.

“Eu pretendo concorrer a Deputado Federal nas próximas eleições. Ainda não por qual partido, mas ele terá que estar ligado às bandeiras que O MBL defende”, apontou o polêmico líder do movimento.

O ex-colunista da Folha de S. Paulo aproveitou para confirmar que o MBL apoia que o atual prefeito de São Paulo, o tucano João Doria, seja candidato à Presidência da República. Segundo ele, nenhum dos possíveis candidatos para as próximas eleições tem o perfil necessário para levantar o Brasil.

“É preciso focar e colocar os esforços em instituições. Sarney, Collor e Lula são exemplos que não dá para confiar em símbolos, não deram certo”, disse. “O João Dória é um candidato para nós, ele tem um resultado para mostrar. Torço que ele não cumpra o mandato em São Paulo para poder se candidatar. Não vejo ninguém tão preparado quanto o prefeito de São Paulo para ser presidente”, afirmou.

Chequer já segue uma linha diferente e mais ponderada. O líder do Vem Pra Rua pretende montar uma agenda, no qual a população do país poderá participar de sua concepção para ver qual político pretende comprar a ideia e defende-la em seu mandato.

Com o crescimento da ideologia liberalista e de direita, Chequer vê a esquerda tentando criar polêmicas que coloquem uma neblina sobre as reais intenções das pautas que defendem. O engenheiro garante que o seu movimento, assim como o MBL, não possui “políticos de estimação”. Kataguiri aponta que a esquerda é quem adota políticos, já que vai às ruas defendendo Lula como “guerreiro do Brasil”.

Os protestos do próximo domingo, que terão início às 14h, buscarão apresentar pautas como a renovação política, fim do foro privilegiado, fim da lista fechada e contra o financiamento público. E sobre o público que não apoia o presidente Michel Temer e pede a sua saída? Os dois líderes não demonstram ser contra o atual governo e acreditam que esses grupos do “Fora Temer” são ligados a partidos políticos da esquerda.

“Isso é um assunto que acontece desde o ano passado. Esses grupos que estão pedindo Fora Temer não de forma espontânea, mas ligado a partidos políticos, você percebe que existe contratação e atração de pessoas. Esses grupos não estão aliados ao que estamos querendo. Não são todas as outras pautas que eles concordam”, explicou Chequer. “Concordo. Não ser a favor do Fora Temer não quer dizer que concordamos com ele. Esses problemas com valores do financiamento público e da lista fechada, se você pede Fora Temer você é a favor de tudo isso”, completou Kim.