Paola Carosella vê polêmicas do MasterChef como “termômetro da sociedade”

  • Por Jovem Pan
  • 19/12/2016 12h09
Johnny Drum/Jovem Pan

A primeira edição do MasterChef Profissionais foi recheada de embates sobre machismo, após alguns participantes desdenharem da chef Dayse Paparoto, que acabou se tornando a grande vencedora do reality show em seu final. Em entrevista ao Jovem Pan Morning Show desta segunda-feira (19), Paola Carosella afirmou que essa não é a primeira vez que o programa levanta esses tipos de questões que vão além da gastronomia. Para ela, o reality serve como um termômetro do que a sociedade é.

Sem se preocupar se a polêmica ajudou a aumentar a audiência do MasterChef, Carosella diz que o show já mostrou embates sobre desigualdade social, preconceito racial e que isso só evidencia o que a sociedade brasileira é.

“Eu não acompanho ibope e não sei quanto mais deu de audiência por conta da polêmica. Fico à margem disso e não me tira do papel da gastronomia. Não é a primeira vez que o ‘Master’ levanta assuntos da sociedade. Já se falou de preconceitos de todos os tipos. É apenas um termômetro do que a sociedade é”, falou.

Com todos os programas gravados, a renomada chef garante que só ficou sabendo das manifestações machistas contra Dayse quando a edição estava no ar. Ela aproveitou para ressaltar que nenhuma de suas decisões profissionais tiveram influência pelo que foi dito por qualquer participante do reality.

“O diretor do programa não falou para mim nada sobre, como por exemplo, disseram para a Dayse varrer o chão. Ele não queria que nenhum de nós fôssemos influenciados na hora de eliminar alguém. Eu só vi isso na edição do programa”, revelou.

Outra polêmica que ficou no ar foram as manifestações do finalista Marcelo, que se via um passo à frente da rival da final, mas acabou sendo preterido na hora da decisão de quem seria o vencedor. Paola explicou que a finalíssima estava gravada desde o fim de setembro e começo de outubro, ou seja, não teve nenhuma influência além da gastronômica para escolher Dayse como campeã.

“Imagina se vou condenar alguém por conta de uma frase? É ridículo. A final foi gravada no fim de setembro e eu torcia pelo Marcelo, gosto da cozinha dele. Na final ele foi o menos equilibrado. Ele fez dois pratos que para mim, foram aquém da expectativa. Tinham falhas enormes de sabor. Parece que ele ficou mais preocupado em surpreender e perdeu a essência. Foi isso que condenei. Depois de tudo o que ele ouviu, se perdeu no conceito”, explicou.