CEO da Plano de Menina conta como aprendeu sobre empreendedorismo com avó sacoleira do Brás

Projeto de Vivi Duarte, entrevistada do programa Mulheres Positivas, capacita e conecta jovens periféricas do Brasil inteiro

  • Por Jovem Pan
  • 04/07/2022 14h23 - Atualizado em 04/07/2022 14h26
Reprodução/Jovem Pan News Vivi Duarte Vivi Duarte foi a convidada do Mulheres Positivas

Nesta semana, o programa Mulheres Positivas recebeu a CEO do projeto Plano de Menina, Vivi Duarte. Em entrevista à Fabi Saad, ela revelou que sua avó, sacoleira do bairro do Brás, em São Paulo, foi uma inspiração para aprender sobre o empreendedorismo. “Eu via minha avó negociando com fornecedores toda semana, falava alto. A partir disso, ela tinha uma rede de fornecedores e gente que acreditava nela. Tinha uma reputação, e fui entender isso depois de mais velha. Acredito que eu tenho isso também”, refletiu.  “Pensando na menina que fui, aquela periférica que nasceu num cortiço na Freguesia do Ó, num lar de mulheres muito aguerridas… Minha vó e minha mãe são mulheres que sempre estão na minha narrativa, na minha história, em todos os espaços que estou, foram minhas mentoras. Eram sacoleiras do Brás, eram empreendedoras, faziam acontecer e, no final do dia, as coisas aconteciam. Eu fui muito essa menina sonhadora por conta dessas duas mulheres, elas não me deixavam olhar para o caos. Sou esse resultado, muito das minhas ancestrais que sempre lutaram, com resiliência, para fazer acontecer”, disse.

Hoje, Vivi busca, através de seu projeto Plano de Menina, oferecer suporte psicológico e de carreira para mulheres periféricas. “O Plano de Menina é maravilhoso, tem seis anos e nasceu da ideia de ocupar espaço. Uma sobe e puxa a outra. O Plano de Menina hoje capacita e conecta meninas periféricas do Brasil inteiro a grandes vagas, em grandes marcas. Só na pandemia, mais de 200 meninas contratadas. Números incríveis, de impacto, uma rede para troca e acolhimento, com psicólogas. É um instituto que funciona, tem um impacto real. Eu estou cada vez mais buscando escalar essa coisa de fazer acontecer: da menina que nasceu sem privilégios poder estar em qualquer lugar que ela quiser”, emocionou-se. “Sempre fui essa pessoa que divide muito. Cada uma de nós tem algo para melhorar, precisa ter sempre o equilíbrio do ego para saber que tem pontos a melhorar. Saber da síndrome do impostor, como me pega… De vez em quando ou em algum momento do dia ela vem.”

Autora do livro “Quem é Você na Fila do Pão?”, Duarte contou que a obra fala sobre o autoconhecimento, deu dicas e refletiu sobre suas relações de trabalho no dia a dia. “Às vezes, as pessoas pensam que ser humilde é ser humilhada. É muito diferente, tá? Eu sou uma pessoa humilde, gosto de falar com todo mundo, mas não quero ser aquela pessoa que não fala o que gosta”, afirmou. “Eu consigo falar o que eu gosto e o que eu não gosto, sempre falo que sonho muito alto. Já passei por várias situações de me colocarem no lugar de grossa, arrogante. Essas coisas às vezes te paralisam e eu fui aprendendo a não perder a minha identidade.”

Como mulher positiva, Vivi relembrou a carreira da advogada e empreendedora Eliane Dias, que também é esposa do rapper Mano Brown. “Ela é minha amiga de muitos anos, uma mulher extremamente inteligente. Do mundo dos negócios, do entretenimento, advogada. Transformou a carreira do Racionais MC’s para muito melhor. É muito estratégica, fora de série”, disse. Como filme, ela indicou o documentário biográfico de Michelle Obama, “Minha História”. “Sou super fã, esse documentário traz a vida real e fala sobre valorizar a nossa história.”

Confira na íntegra a entrevista com Vivi Duarte: