Rachel Polito dá dicas para discursos e controle de vícios de linguagem: ‘Uma pausinha não tem problema nenhum’

Em entrevista ao ‘Mulheres Positivas’, especialista em oratória disse que pessoas do sexo feminino são criadas para não falarem de si mesmas: ‘Não pode ter vergonha, faça a sua propaganda’

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2022 15h59 - Atualizado em 11/04/2022 19h52
Reprodução/Jovem Pan News Rachel Polito no estúdio do Mulheres Positivas Rachel Polito foi a convidada do programa Mulheres Positivas desta semana

O programa Mulheres Positivas desta semana teve como convidada de Fabi Saad a diretora do curso Expressão Verbal Reinaldo Polito, Rachel Polito. Especialista em oratória, ela explicou sobre os ruídos e repetições de palavras durante apresentações e discursos em público e deu dicas para se desvencilhar deste hábito. “Precisamos ter consciência de que quando fazemos pausas silenciosas, elas são muito produtivas, elas têm muito valor, são muito mais agradáveis. E, muitas vezes, a pausa é mais importante que a fala”, disse. “Eu dou tempo para que você preste atenção na minha informação, para que você veja como é importante aquilo que eu falei e passe a prestar mais atenção. Não tem problema colocar essa pausa silenciosa em vez de ruídos e sons irritantes. Não precisa ser ansioso, tenha um pouquinho de calma, tranquilidade. Fazer uma pausinha não tem problema nenhum.”

Ainda que exista uma boa desenvoltura da oratória, a comunicação não é feita individualmente. Rachel Polito discutiu sobre a necessidade de uma linguagem não violenta, especialmente para o cotidiano em empresas e no dia a dia com familiares e amigos. Para ela, um diálogo claro se faz quando o comunicador entende aquele com quem quer se comunicar. “A comunicação não depende só da gente, depende de quem ouve. Não adianta nada achar que é assim que você vai falar, assim que vai se comportar e não vai mudar. Eu já ouvi muita gente falando: assim que é o meu jeito, se quiser viver comigo vai ter que ser assim. E aí? Todo mundo vai ter que fazer concessão e você não está disposto a fazer nenhuma para sobreviver com outras pessoas?”, questionou. “Saber viver em sociedade é também saber se comunicar, significa você ter destaque profissional e bom relacionamento. Você precisa entender como o outro recebe a mensagem, não adianta querer explicar muito se o outro não tem paciência para ouvir. Não adianta ficar colocando o dedo na cara da pessoa. A gente também precisa entender que ser gentil não é ser submisso”, pontuou.

Rachel Polito também deu dicas para o dia a dia de mulheres introvertidas e citou perspectivas diferentes no discurso entre mulheres e homens. “A mulher é criada para não falar dela, é criada para não se autoelogiar, é criada para ser introvertida”, disse. “Se você criou um produto e desenvolveu um serviço, é porque você pensou em ajudar alguém.” Ela afirmou que, durante falas em público, é comum que mulheres tenham vergonha de divulgar suas conquistas. O mesmo não acontece com homens. “Na hora de divulgar, você fica toda tímida, você não quer falar o que você desenvolveu. O homem não, ele já vai. Ele faz o marketing dele, fala para todo mundo. Não pode ter vergonha. Faça a sua propaganda”, incentivou.

Como mulher inspiradora, Rachel Politto relembrou a vida de Helen Keller, primeira pessoa surda e cega a se formar em uma universidade na história da humanidade. Como obra do audiovisual, a diretora do Expressão Verbal indicou a minissérie Self Made”, uma biografia de Madame Cj Walker, a primeira mulher milionária da história. Como livro, ela divulgou o seu futuro projeto com a apresentadora Fabi Saad, uma série online que contará com dicas de leituras para resolver problemas.

Confira na íntegra a entrevista com Rachel Polito: