Major Olimpio sobre articulação do governo: ‘Alguns ministros precisam calçar as sandálias da humildade’

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2019 19h42 - Atualizado em 27/05/2019 19h46
Marcos Oliveira/Agência SenadoO senador Major Olimpio (PSL-SP) concedeu entrevista exclusiva ao programa "Os Pingos nos Is" nesta segunda-feira (27)

O senador Major Olimpio (PSL-SP) negou, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, que haja um problema entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso para a aprovação de pautas como a reforma da Previdência e o pacote anti-crime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro. O político, no entanto, admitiu que alguns ministros ainda não se acostumaram com a articulação política.

“Alguns ministros precisam calçar as sandálias da humildade, precisam retornar a ligação do deputado e do senador de vez em quando”, afirmou Olimpio. “Eles evitam os parlamentares achando que serão abordados com o ‘toma lá, dá cá’, mas isso mudou, não existe mais”, disse, citando que há ministros que teme ser vítimas de propostas indecorosas por parte dos congressistas.

Sobre o presidente, Major Olimpio declarou que Bolsonaro tem uma relação bem próxima aos parlamentares, como também tinha nos anos em que foi deputado federal. “Da parte do presidente Jair Bolsonaro, não há dificuldade nenhuma”, explicou.

Mesmo com essas possíveis rusgas entre ministros e parlamentares, o senador não acredita que isso interfira no processo de aprovação de projetos do governo. “Se a gente disser que um deputado ou senador não vai votar em uma pauta porque tomou uma canseira de um ministro, aí é o fim dos tempos”, disse.

Coaf

Uma das próximas votações do Congresso é a reforma administrativa, que, entre outras coisas, determinará se o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ficará sob a pasta da Justiça, com Sergio Moro, ou voltará para a pasta da Economia, com Paulo Guedes. O Major Olimpio já declarou que quer que o órgão continue no Ministério da Justiça.

“Por que alguns segmentos da política querem arrancar o Coaf do Ministério da Justiça?”, questionou o senador. “O Coaf é um instrumento fundamental ao Sergio Moro para a concretização do combate à corrupção”, continuou, citando que o órgão não era muito utilizado no antigo Ministério da Fazenda no governo de Michel Temer. “Foi verificado que o desempenho do Coaf era muito pequeno, por isso tão poucos ladrões, principalmente na área pública, estão na cadeia”, disse.

Para que seja válida, a reforma administrativa deve ser votada até o dia 3 de junho. Olimpio acredita que há tempo hábil para isso, mas criticou a demora da Câmara dos Deputados em discutir a matéria e mandá-la para o Senado. “Estamos cansados de receber da Câmara Medida Provisória no dia que ela vai caducar. Não é a primeira vez”, afirmou. “Fica 119 dias na Câmara e 15 minutos no Senado.”

Protestos

Major Olimpio ainda comentou os protestos a favor do governo Bolsonaro e das reformas neste domingo (26). Ele afirmou que a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça era um dos pedidos dos manifestantes. “As manifestações foram mais do que claras: a pauta unânime da população é o Coaf ficando no Ministério da Justiça”, disse.

O senador admitiu que se surpreendeu com a mobilização na Avenida Paulista, em São Paulo. “Eu me surpreendi positivamente. Não esperava que tivesse uma mobilização pró-Previdência”, afirmou.

Ele acredita que os protestos deste domingo foram maiores do que as manifestações na época da campanha eleitoral. “As pessoas foram fazer uma mobilização pelo Brasil. Isso fortalece as pautas que o Brasil precisa e o Jair Bolsonaro”, comemorou Major Olimpio.