Ministério da Saúde decide suspender vacinação contra Covid-19 de adolescentes sem comorbidades

Na manhã desta quinta-feira, Natal (RN) e Salvador (BA) já acataram a nova recomendação e cancelaram imunização do grupo prevista para começar hoje

  • Por Jovem Pan
  • 16/09/2021 11h31
LEANDRO FERREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOMunicípios seguiram recomendação do Ministério da Saúde de não mais vacinar crianças e adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades, deficiência permanente ou que não estejam privados de liberdade

As secretarias municipais de saúde de Natal (RN) e de Salvador (BA) suspenderam a vacinação contra a Covid-19 de crianças e adolescentes de 12 a 17 anos que não tenham deficiência permanente, comorbidades ou que não estejam privados de liberdade. A decisão foi divulgada na manhã desta quinta-feira, 16, e ocorreu após a publicação, na noite da última quarta-feira, 15, de uma nota da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde que revogava a recomendação anterior da pasta para vacinação desse grupo. Na nota assinada pela secretária Rosana Leite de Melo, é argumentado que a nova indicação foi feita com base em algumas premissas, dentre elas: a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomendar a imunização de crianças e adolescentes; a evolução benigna de casos de Covid-19 em adolescentes, sendo a maioria assintomáticos ou oligossintomáticos; benefícios da vacina nesse público ainda não serem definidos com clareza; o risco, apesar de raro, de reações adversas; a redução na média móvel de casos e óbitos no Brasil. Segundo a secretaria, a publicação se baseia na evolução das evidências científicas. Em uma nota técnica anterior, que entrou em vigor na última quarta, 15, o ministério da Saúde estabelecia o contrário, colocando adolescentes sem comorbidades como elegíveis para a vacinação. A pasta afirma que os Estados e municípios devem seguir as orientações do Programa Nacional de Operacionalização da Covid-19. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza o uso da vacina da Pfizer/Biontech para esse público.