Autor de atentado no Kuwait é saudita, segundo Ministério do Interior

  • Por Agencia EFE
  • 28/06/2015 07h23

Cairo, 28 jun (EFE).- O Ministério do Interior kuwaitiano revelou neste domingo que o suicida que realizou o ataque terrorista que matou na sexta-feira passada 27 pessoas em uma mesquita xiita do Kuwait, é de nacionalidade saudita e chegou ao país no mesmo dia do atentado.

O departamento informou em comunicado, recolhido pela agência oficial “Kuna”, que o suicida se chama Fahd al Qabaa, sem dar mais dados sobre sua pessoa.

Qabaa chegou ao país por via aérea na madrugada de sexta-feira passada, o mesmo dia no qual realizou o atentado suicida contra a mesquita xiita imame al Sadik, na capital kuwaitiana.

Hoje mesmo, as autoridades kuwaitianas anunciaram a detenção de outras duas pessoas por seu suposto envolvimento no ataque terrorista.

Trata-se, segundo dois comunicados do Ministério do Interior, do motorista do veículo que levou o suicida à mesquita xiita alvo do atentado, e do proprietário da casa onde estava escondido.

O motorista, de 26 anos de idade, é estrangeiro e vive de forma ilegal no país, informou o Interior, acrescentando que sua detenção aconteceu no bairro de Al Riqqa, no sul da cidade do Kuwait.

Por sua vez, o dono da casa onde foi detido o motorista é de nacionalidade kuwatiana e apoia a ideologia jihadista, de acordo com as primeiras investigações.

Ontem, as autoridades kuwaitianas anunciaram a detenção do dono do veículo que levou o terrorista à mesquita, que fugiu da região após deixá-lo nas proximidades.

Segundo publicou o jornal “Al Nahr”, pelo menos 18 pessoas foram detidas por sua suposta ligação com o ataque terrorista, que foi reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

No total 27 pessoas morreram e outras 227 ficaram feridas quando um homem detonou a carga de explosivos que levava junto ao corpo na sala de oração onde se reunia um grande número de fiéis, por causa da oração do meio-dia da sexta-feira.

O atentado comoveu o pequeno emirado, no qual mais de 90% dos quase quatro milhões de habitantes professam o Islã. Deles, 30% segue a ramo xiita, enquanto o resto se declara sunita. EFE