Carlos Andreazza: Acirramento militar na fronteira com a Venezuela afetaria brasileiros que vivem na região

  • Por Jovem Pan
  • 25/02/2019 10h09 - Atualizado em 25/02/2019 10h42
EFERegião de fronteiras venezuelanas tem registrado intenso conflito

Carlos Andreazza acredita que a postura brasileira frente à situação venezuelana merece elogios, porque tem priorizado o diálogo em vez do conflito, que tem sido provocado pelo ditador Nicolás Maduro na região de fronteira, especialmente no fim de semana.

O comentarista da Jovem Pan afirmou nesta segunda-feira (25) que a palavra do momento é prudência. “O governo brasileiro tem se mostrado prudente, dando apoio à ajuda humanitária e investindo no Grupo de Lima, em uma solução diplomática”, disse.

“As pessoas Roraima vivem em regime de comunidade [com os venezuelanos], como se não houvesse fronteira, limites. A região de fronteira é assim, geralmente.” Um acirramento militar, para ele, afetaria especialmente a população brasileira.

Conforme Carlos Andreazza, o governo ditatorial de Maduro está “pela hora da morte” e não há motivos para o Brasil ceder à força militar, como o próprio presidente interino, Juan Guaidó, tem pedido, nem para deixar a “fervura subir”.