Celular de Eduardo Cunha confiscado pela PF pode comprometê-lo

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2015 12h13
BRASÍLIA, DF, 30.09.2015: EDUARDO-CUNHA - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, preside sessão de votação da Casa, nesta quinta-feira, em Brasília (DF). O Plenário aprovou o projeto de lei de conversão da comissão mista para a Medida Provisória 676/15, que permite, até 2018, a aposentadoria no Regime Geral da Previdência Social pela regra alternativa conhecida como 85/95. Essa regra permite ao trabalhador aposentar-se sem a redução aplicada pelo fator previdenciário sobre o salário, criada em 2000 para desestimular a aposentadoria antes dos 60 anos (se homem) ou 55 anos (se mulher). (Foto: Renato Costa/Frame/Folhapress)Presidente da Câmara dos Deputados

As manchetes dos comentários de Fernando Rodrigues desta quarta-feira (16) de manhã são:

  • O Supremo Tribunal Federal começa a decidir nesta quarta-feira sobre como deve tramitar o impeachment dentro do Congresso. Há um consenso entre governo e oposição: é quase impossível que disputa jurídica se encerre a tempo de permitir que o processo de impeachment avance em janeiro.
  • Provas contra Eduardo Cunha devem estar em seus aparelhos de telefone celular. O presidente da Câmara usava mensagens de texto para dar ordens a seus comandados. Os adversários de Cunha acreditam que isso será a prova de que ele usava o cargo de presidente da Câmara a benefício próprio.

Ouça os detalhes no áudio do começo do texto.